VOLTAR

Produção agrícola indígena é tema de debate na Comissão de Agricultura

Câmara Notícias www2.camara.leg.br
16 de out de 2017

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento Desenvolvimento Rural discute nesta quarta-feira (18) a produção agrícola indígena. Os deputados Nilson Leitão (PSDB-MT) e Valdir Colatto (PMDB-SC), que pediram a realização do debate, afirmam que a troca de conhecimentos entre indígenas e técnicos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) tem contribuído para fortalecer a agricultura desses povos nos Amapá e no Acre.

O objetivo dessa parceria é garantir segurança alimentar e melhorar o aproveitamento de recursos naturais nas aldeias, com ações simples que respeitem os hábitos tradicionais.

"Para resguardar a singularidade das etnias e padrões socioculturais dos indígenas, cada atividade foi planejada de acordo com sugestões dos índios", explicam os deputados no requerimento em que pediram a realização do debate.

No Oiapoque (AP), por exemplo, a Embrapa Amapá desenvolve ações de intercâmbio de conhecimentos em manejo sustentável de açaí e outras frutíferas. A adoção de técnicas de manejo de mínimo impacto de açaizais de grotas em terras indígenas aumenta em até 100% a produtividade e amplia o período de coleta de três para até sete meses.

Já no Acre, há cinco anos pesquisadores e técnicos da Embrapa compartilham conhecimentos com os índios da tribo Kaxinawá de Nova Olinda, que fica no município de Feijó. Nessa tribo, predomina o cultivo da banana, mandioca e amendoim.

A Embrapa foi uma das convidadas para participar da audiência. Além dela, foram convidados representantes dos seguintes órgãos:
- Ministério da Agricultura;
- Ministério da Justiça e Segurança Pública;
- Fundação Nacional do Índio (Funai);
- Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA); e
- Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/AGROPECUARIA/546577-P…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.