VOLTAR

Procure o prefeito, diz Ciro a flagelada

OESP, Nacional, p. A15
20 de out de 2005

'Procure o prefeito', diz Ciro a flagelada
Ministro sobrevoa áreas mais afetadas pela seca no Amazonas e destaca que natureza está 'pregando peças' no mundo inteiro

Liège Albuquerque

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, sobrevoou ontem 5 dos 21 municípios do Amazonas em situação mais crítica por causa da seca e prometeu que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não deixará faltar ajuda às famílias isoladas. Após verificar a situação de Manacapuru, Caapiranga, Anamã, Anori e Manaquiri, acompanhado do governador do Amazonas, Eduardo Braga (PMDB), Ciro comentou que, como ministro, não ficou impressionado, viu, porque estava ali para solucionar o problema. Mas ressaltou: "Como pessoa, fico triste e preocupado com o desastre ambiental. Não deixa de nos preocupar que a natureza esteja pregando essas peças no mundo inteiro."
Falar com o ministro, porém, foi tarefa difícil para os moradores das áreas visitadas ontem. Na comunidade Bom Jesus, em Manacapuru, a 84 quilômetros de Manaus, onde os dois helicópteros do Exército pousaram com as autoridades, a dona de casa Antonia Benacon da Silva, de 31 anos, com um de seus oito filhos, tentou em vão pedir ajuda ao ministro. "Fale com o prefeito", despistou.
"Meu marido não tem condição de pagar os R$ 10 do rateio da comunidade para comprar diesel para puxar a água do poço que o prefeito mandou construir", contou Antonia. O prefeito Washington Régis (PP) afirmou que perfurou os poços, mas não tem verba para comprar motores de bombeamento, por isso as comunidades estão rateando o diesel.
Régis se aproximou do ministro para agradecer pelas 58 cestas básicas entregues à comunidade, mas não conseguiu. "Não precisa agradecer, não precisa fazer discurso", disse Ciro, em voz alta. "Eu sei que é obrigação, mas queria agradecer."
Na comunidade Dominguinhos - tema de reportagem do Estado no domingo -, em Caapiranga, a 145 quilômetros de Manaus em linha reta, no segundo e último pouso, muitos membros da comunidade demonstraram dúvidas sobre o uso do hipoclorito de sódio. "Estou querendo economizar o frasquinho e não uso muito", disse a dona de casa Raimunda de Souza, de 41 anos. Oficiais do Exército orientavam que uma gota é o suficiente para um litro de água.
Segundo a dona de casa Perpétuo Pereira, de 24 anos, as 23 cestas básicas distribuídas no local no sábado são suficientes para as poucas famílias sobreviverem até o fim da seca.
Na volta a Manaus, após cinco horas, os helicópteros passaram pelo Lago dos Reis, em Careiro da Várzea, a 29 quilômetros de Manaus. A 30 metros do solo era possível sentir o cheiro de peixe podre. Um jacaré morto chamou a atenção dos fotógrafos e cinegrafistas. No pouso, Ciro ironizou: "Viram o jacaré? Devem ter gostado, jornalista só gosta de desgraça."
PRIORIDADE
A preocupação dos coordenadores do SOS Interior - programa estadual de socorro às vítimas - nas próximas semanas será com os municípios do Baixo Amazonas, que devem ser atingidos pela seca. Enquanto isso, se espera uma melhora nos municípios do Alto e Médio Amazonas, hoje em estado de calamidade. "Pelo menos nesses municípios há logística mais fácil e aeroportos", disse Braga.
Segundo o coordenador do SOS Interior, José Melo, até agora dez municípios já receberam mantimentos e medicamentos. Ele informou que hoje seguem para o nordeste do Estado 20 toneladas de alimentos e 12 de medicamentos.

OESP, 20/10/2005, Nacional, p. A15

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.