VOLTAR

Presidente da Funai visita povos indígenas do Amapá

Funai
06 de ago de 2007

O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Meira, visita, entre os dias 02 e 08 de agosto, terras indígenas do Amapá e do norte do Pará, onde vivem aproximadamente sete mil índios, em mais de quatro milhões de hectares. Meira passará pelas terras indígenas Wayampi, nos municípios amapaenses de Laranjal do Jarí e Pedra Branca do Amapari. Também visitará as terras indígenas Uaçá,Juminá e Galibi, no município do Oiapoque (AP), e Parque Indígena do Tumucumaque.

A viagem iniciou na sexta-feira, 02/08, quando Meira esteve na Administração Executiva Regional (AER) de Belém/PA, para reunião com os servidores da AER e com lideranças indígenas da etnia Tembé. Na capital paraense, o presidente da Funai também esteve reunido com o procurador do Ministério Público do estado do Pará, Felício Pontes, para discutir os direitos territoriais indígenas e com o secretário estadual de cultura, Edílson Moura, para tratar de agenda cultural em comum.

Durante seis dias, Márcio Meira estará em contato direto com os povos indígenas das etnias Palikur, Karipuna, Galibi-Marworno, Kaxuiana, Waiana, Apalaí e Tiriyó, e ouvirá as suas reivindicações e sugestões, buscando elementos para ações pertinentes e necessárias a cada uma delas. Dessas terras indígenas, apenas Uaçá e Juminá tinham recebido a visita de um presidente da Funai.

Visitar e conhecer a realidade de áreas indígenas tem sido uma das prioridades de Márcio Meira, que já esteve com índios das etnias xavante, kayapó e guarani. Entre os dias 10 e 12 de abril, Márcio esteve com 70 lideranças indígenas do Pará e Mato Grosso, nos municípios de Redenção (PA), Tucumã (PA) e Colíder (MT). No mês de maio, entre os dias 04 e 09, foi às aldeias Marawatsede, Tripa, São Pedro, Estrela e Namunkurá, e também às reservas Marechal Rondon, Volta Grande e Sangradouro. De 18 a 21 de junho esteve no Mato Grosso do Sul, onde visitou as aldeias em Dourados, Campo Grande, Bodoquena e Corumbá.

A cultura dos povos indígenas do Oiapoque também pode ser conferida na exposição A presença do invisível, que está aberta ao público desde 28 de junho no Museu do Índio, no Rio de Janeiro.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.