VOLTAR

Planejamento de ações sustentáveis em reservas extrativistas

Ibama
10 de mar de 2003

O Ibama realizou a primeira reunião de Planejamento Participativo para as Reservas Extrativistas. De 1o a 5 de março, cerca de 50 pessoas participaram da Reunião do Projeto Reserva Extrativista do PPG7 em Rio Branco, capital do Acre. O encontro trouxe ainda técnicos do Banco Mundial. Na oportunidade, foram apresentados modelos de prestação de contas, o manual de procedimentos para execução do orçamento e o plano de planejamento para 2004.

As reuniões sobre o planejamento das Resex deverão se repetir a cada três meses. Para o próximo encontro, foi proposta a participação de mais duas esferas de governo: os estados e os municípios onde as reservas estão localizadas para estimular o desenvolvimento da comunidade. A meta do Ibama é inserir os produtos não-madeiráveis dos extrativistas nas cadeias produtivas.

As Resex são uma das maiores unidades de conservação de uso direto do Ibama. No evento, participaram extrativistas das Reservas Alto Juruá, que dispõe de 506.186 hectares, Chico Mendes, a maior de todas, com 970.570 hectares, ambas ficam no Acre, Rio Cajari, com 481.650 hectares, no Amapá e Rio Ouro Preto, com 204.583, em Rondônia.

O aproveitamento dos recursos naturais, como a coleta e o processamento mais adequado da castanha-da-amazônia, a borracha nativa, óleos medicinais e essenciais, frutas, plantas e sementes ornamentais, fibras, bambus, atividades de ecoturismo e o manejo de animais silvestres em áreas superiores a 5 mil hectares foram algumas das possibilidades de economia sustentável discutidas no Acre durante a semana.

O Ibama mantém vários projetos para inserir o homem no meio ambiente com respeito, sustentabilidade e preservação cultural e ambiental: o Qualidade da Castanha, em parceria com a Emprapa do Acre, o Copaíba, em conjunto com a Universidade Federal do Acre, o TecBor - Folha de Defumação Líquida - uma parceria com Universidade de Brasília, Fundação Banco do Brasil e o Ilhas de Alta Produtividade, em conjunto com a Secretaria de Biodiversidade e o Floresta, do Ministério do Meio Ambiente
(-Ibama-Brasília-DF-10/03/03)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.