VOLTAR

PF prende três em operação contra garimpos ilegais na área dos Zo'é

G1- http://g1.globo.com
31 de mar de 2016

A Polícia Federal em Santarém, oeste do Pará, prendeu nesta quinta-feira (31) três garimpeiros em flagrante por crime ambiental durante ações da operação DAKJI, que tem como objetivo reprimir a atividade clandestina de garimpo no entorno da terra indígena Zo'é (conhecidos como um dos povos mais isolados e preservados da Amazônia), localizada no município de Óbidos. A operação, ainda em andamento, conta com o apoio do Ministério Público Federal (MPF), Funai, Ibama e Departamento de Saúde Especial Indígena (DSEI).

Durante as prisões em flagrante foram encontrados equipamentos utilizados na extração de minérios e três motobombas que foram destruídas pelo Ibama.

Também foram cumpridos três mandados de busca e apreensão, dois mandados de condução coercitiva, e um mandado de prisão temporária nos municípios de Santarém e Itaituba, expedidos pelo juiz titular da 2ª Vara da Justiça Federal em Santarém, em desfavor das pessoas envolvidas com a atividade garimpeira nas proximidades da área indígena.

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão em Santarém foram apreendidas diversas armas de fogo, acessórios e munições, o que resultou em duas prisões em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

As incursões nos garimpos perto da terra dos Zo'é foram realizadas com apoio de helicópteros e um avião da Coordenação de Aviação Operacional da Polícia Federal (Caop).

Dakji

O nome da operação significa "sem medo" na língua Zo'é e faz referência a constatação de que a atividade ilegal além de impactos ambientais estava causando temor nos indígenas, poluição dos rios, prejuízos a cultura indígena, transmissão de doenças e fundado receio da prática de violência contra o povo indígena.

http://g1.globo.com/pa/santarem-regiao/noticia/2016/03/pf-prende-tres-e…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.