VOLTAR

Pela primeira vez em Rondônia, indígena chefia unidade da Funai

Amazonia.org.br - http://www.amazonia.org.br/noticias/noticia.cfm?id=335456
23 de nov de 2009

Local: Brasília - DF
Fonte: Procuradoria Geral da República - Ministério Público
Link: http://www2.pgr.mpf.gov.br/

Indígena da etnia Oro Nao é chefe da unidade da Funai em Guajará-Mirim

Joel Oro Nao é o primeiro indígena a chefiar uma unidade da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Rondônia. No Brasil, esta é a sexta vez que um indígena ocupa função de chefia na autarquia federal. Sua nomeação ocorreu há menos de dois meses e foi obtida após indicação das etnias de Guajará-Mirim. Em visita à unidade da Funai naquele município, a procuradora da República Lucyana Pepe destacou a importância da presença de Joel à frente daquele órgão e disse que o diálogo entre a Funai e o Ministério Público Federal (MPF) tem avançado.

Joel Oro Nao conta que a unidade da Funai em Guajará-Mirim existe há aproximadamente 30 anos e que seus administradores sempre foram "brancos". "Nós pensamos que já estava na hora de um indígena ficar à frente desta unidade", relata. Seu nome foi escolhido em uma reunião de lideranças indígenas. "Conheço a realidade do meu povo", fala Joel.

Ele conta que já havia morado durante 10 anos na área urbana de Guajará-Mirim para poder estudar. Joel é professor concursado da prefeitura daquele município. Ele ensinava todas as disciplinas até a 4ª série do ensino fundamental e lecionava em sua aldeia até ser nomeado chefe da unidade da Funai. Sua aldeia, localizada na terra indígena Rio Guaporé, é longe da sede do município e tem acesso apenas pelo rio. "Daqui para lá são seis horas de voadeira", resume Joel, no cálculo da distância feito pelo tempo que se passa dentro do pequeno barco a motor.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.