VOLTAR

Pauta: MMA apresenta os avanços na implantação das UCs

MMA - www.mma.gov.br
08 de mar de 2010

Quando: Terça-feira 9 de março, às 11h

Onde: Auditório do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), EQSW 103/104, Bloco C, Complexo Administrativo, Setor Sudoeste, Brasília (DF)

Na próxima terça-feira (09/3), o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, apresenta avanços alcançados em relação à implantação das Unidades de Conservação no País. Na oportunidade, serão assinadas portarias de planos de manejo e de criação de conselhos de gestão para as Unidades de Conservação, além de novas concessões florestais.

Os planos de manejo serão implantados nas seguintes áreas: Florestas Nacionais do Amana e do Crepori (PA), Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque (AP/PA), Estação Ecológica dos Tupiniquins (SP) e Reserva Biológica do Tapirapé (PA), além de duas Reservas Particulares de Patrimônio Natural (RPPN) - Rio das Lontras (SC) e SESC Pantanal (MT).

As propostas de criação de conselhos são para a Área de Proteção Ambiental de Lagoa Santa (MG), Reserva Biológica das Perobas (PR), Floresta Nacional de Mapiá-Inauni (AM), Floresta Nacional do Purus (AM), Floresta Nacional do Tapajós (PA) e Parque Nacional do Jaú (AM).

As concessões florestais são previstas para as Florestas Nacionais do Amana e do Crepori, localizadas nos municípios de Itaituba e Jacareacanga, no oeste do Pará.

O manejo florestal atrairá investimentos sustentáveis para a região da BR-163, que liga Cuiabá (MT) a Santarém (PA). As Florestas Nacionais do Amana (542 mil hectares) e do Crepori (742 mil hectares) têm como objetivo o uso múltiplo e sustentável dos recursos florestais, além da pesquisa científica, com ênfase em métodos para exploração sustentável de florestas nativas.

Mais informações:

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)
(61) 3341-9280/ Sandra Genari (61) 8529-5186

Serviço Florestal Brasileiro
(61) 2028-7204/ Luiz Motta (61) 9675-0581

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.