VOLTAR

Parque Nacional do Araguaia, criado em 1959

MMA - http://www.mma.gov.br/
Autor: Marcelo Carota
26 de jan de 2015

Em 1959, inspirado e entusiasmado com a criação do primeiro parque nacional dos EUA, o Parque Yellowstone, o então presidente (1956-1961) Juscelino Kubitscheck decidiu também criar o primeiro parque brasileiro. Em 17 de dezembro daquele ano, por meio da Lei Estadual 2.370, foi autorizada a doação da Ilha do Bananal para a União. Apenas 14 dias depois, JK designou a ilha para a criação do Parque Nacional do Araguaia.

À época, o território pertencia a Goiás, ao norte do estado. Hoje está no sudoeste do Tocantins, abrangendo parte dos municípios de Formoso do Araguaia, Pium e Lagoa da Confusão.

Cercada pelos rios Araguaia e Javaés, a ilha foi descoberta pelo sertanista José Pinto Fonseca em 1773, recebendo o nome de Santana. Depois, devido à existência de extensos bananais silvestres, passou a ser chamada Bananal.

Com 20 mil Km² de extensão (área equivalente à do estado de Sergipe), a Ilha do Bananal é a maior ilha fluvial do mundo, além de um dos santuários ecológicos mais importantes do país.

A princípio, o Parque Nacional do Araguaia ocupava toda a Ilha do Bananal. Em 1971, com a mudança em seus limites para criação do então Parque Indígena do Araguaia - desde 1998, Terra Indígena Parque Araguaia -, passou a ocupar cerca de 562 mil hectares da área total da ilha.

A Terra Indígena Parque do Araguaia abriga cerca de quinze aldeias indígenas, dentre elas os Carajás, com nove subgrupos, os Javaés, com doze subgrupos, os Tapirapés, Tuxás e os Avá-Canoeiros, também conhecidos como Cara-Preta, que rejeitam contato com a civilização e com os demais indígenas das aldeias mais próximas.

Para garantir os direitos dessas populações, a reserva fica sob responsabilidade da A Terra Indígena Parque do Araguaia (Funai), enquanto o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), instituição vinculada ao Ministério do Meio Ambiente (MMA) garante a conservação da grande diversidade biológica presente no Parque.

FAUNA, FLORA E VEGETAÇÃO

Situado numa faixa de transição que compreende os biomas Floresta Amazônica, Cerrado e Pantanal, o Parque Nacional do Araguaia destaca-se pela diversidade de sua fauna, flora e cobertura vegetal.

Na vegetação, predominam as matas ciliares de igapó, vegetação das encostas secas, vegetação dos bancos de areia e os campos de várzeas inundáveis, além do Campo das Caraibeiras, com abundância de grama rasteira e árvores caraíbas de longas metragens.

Ao longo dos rios, cerrados e florestas com flora rica em maçarandubas, piaçavas, canjeranas, orquídeas terrestres, ipês e palmeiras típicas. Da flora nativa, ainda, utilizadas especialmente pelos indígenas, diversas espécies para fins culinários, medicinais e ornamentais.

Na fauna, as espécies mais comuns são: onça-pintada, tamanduá-bandeira, cervo-do-pantanal, tartaruga da Amazônia, boto, ariranha, arara-azul, gavião-real, águia-pescadora, garça-azul, dentre outras 660 espécies de aves, aproximadamente.

Nas enchentes periódicas, aumenta a concentração da fauna terrestre nas partes altas, especialmente de jacarés-açu, sucuris e jiboias.

SÍTIOS RAMSAR

O Parque Nacional do Araguaia - Ilha do Bananal tornou-se Sítio Ramsar em outubro de 1993, correspondendo à diretriz do governo brasileiro, cumprida desde sua adesão à Convenção de Ramsar, de indicar para a Lista deste tratado internacional somente Áreas Úmidas que sejam unidades de conservação, assim favorecendo a adoção de medidas necessárias à implementação dos compromissos assumidos pelo país perante a Convenção.

Além do Parque Nacional do Araguaia - Ilha do Bananal, o Brasil tem outras 11 Áreas Úmidas na Lista de Ramsar.

http://www.mma.gov.br/index.php/comunicacao/agencia-informma?view=blog&…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.