VOLTAR

Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange decide investir em divulgação e novas parcerias

ICMBio - www.icmbio.gov.br
Autor: Priscila Galvão
10 de ago de 2009

O Conselho Consultivo do Parque Nacional (Parna) de Saint-Hilaire/Lange, no Paraná, reuniu-se na semana passada, na cidade de Matinhos (PR), e aprovou o seu plano de ação para os próximos 12 meses. O plano prevê, entre outras coisas, investimento em divulgação e busca de novas parcerias.

O principal tema abordado foi a pouca visibilidade que o conselho e a Unidade de Conservação têm junto à população da região. Entre as diversas ações aprovadas estão a constituição de duas câmaras técnicas: uma para elaboração dos materiais informativos e outra para identificação de potenciais agentes financiadores de projetos, parceiros e patrocinadores para as atividades do conselho.

Com a presença de 23 conselheiros, a oficina de planejamento foi conduzida por uma equipe da Mater Natura. Os participantes identificaram os pontos fortes do conselho, com destaque para a diversidade dos setores representados.

A reunião contou ainda com a presença de membros do Coletivo Jovem da Serra da Prata, constituído recentemente e que tem como uma de suas finalidades divulgar informações sobre o Parque e apoiar ações do Conselho.

PARQUE - O Parna de Saint-Hilaire/Lange foi criado em 2001 com o objetivo de proteger uma parte da mata atlântica do Paraná, abrangendo parte da Serra do Mar, conhecida como Serra da Prata, a Unidade de Conservação possui aproximadamente 25 mil hectares e ocupa parte dos municípios de Guaratuba, Matinhos, Morretes e Paranaguá.

O Conselho Consultivo da unidade foi oficializado em 2008 após um processo participativo realizado em 2007, que garantiu a proporcionalidade e diversidade de sua composição: 10 cadeiras destinadas ao poder público, 11 à sociedade civil organizada e 11 às comunidades do entorno.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.