VOLTAR

Parque Estadual do Rio Doce promove carnaval ecológico

IEF - www.ief.mg.gov.br
08 de fev de 2010

Para aqueles que gostam de natureza, e desejam passar um carnaval mais tranqüilo e em contato com o verde, uma ótima opção é visitar o Parque Estadual Rio Doce, unidade de conservação estadual administrada pelo Instituto Estadual de Florestal (IEF). Além das atrações naturais, várias atividades serão oferecidas aos visitantes como rapel, arvorismo, oficinas de educação ambiental, trilhas interpretativas, apresentação de vídeos, fórum de discussões, observação astronômica, excursões e gincanas.

Os turistas podem visitar uma exposição interativa e permanente no centro de visitantes, aonde são exibidos os sons de vários animais silvestres, artesanato local e uma maquete do parque. Para os interessados em passar o feriado na área de camping da unidade de conservação as reservas devem ser feitas antecipadamente junto à gerência do Parque. A área tem capacidade área para 250 barracas e somente uma pode ser reservada por pessoa.

O Parque oferece uma completa infraestrutura para atendimento e segurança dos turistas Além da área de camping, possui portaria, estacionamento, vestiários, restaurante, anfiteatro, Centro de Visitantes e posto de Polícia de Meio Ambiente. O gerente do Parque, Marcus Vinícius de Freitas, observa que o visitante pode desfrutar de todas as atividades gratuitamente. "Somente as atividades de rapel e arborismo são cobradas a parte", observa. O valor da entrada para visitação é de R$ 5,00 e a diária na área de camping custa R$ 10,00 por pessoa.

Marcus Vinícius de Freitas observa que os visitantes são estimulados a refletir sobre a importância da preservação da natureza. "Por ser uma área de proteção integral, o Parque é o espaço ideal para que o turista tenha oportunidade de conscientizar o publico da importância da conservação e proteção do meio ambiente, especialmente neste que é o Ano Internacional da Biodiversidade declarado pela Unesco", afirma.

Algumas orientações devem ser observadas pelos visitantes no interior do Parque. "Ao entrar na unidade, os visitantes são informados sobre o regulamento do Parque, mas é importante já tomar certas precauções como não alimentar os animais silvestres, usar repelente, levar sacolas ou outros recipientes para serem utilizados como lixeira e não levar animais domésticos", informa Freitas.

O Parque Estadual do Rio Doce é a maior área de reserva de Mata Atlântica de Minas Gerais e está localizado no sudoeste do Estado, na região do Vale do Aço, nos municípios de Marliéria, Dionísio e Timóteo. Em seus 36.970 hectares abriga quarenta lagoas naturais, dentre as quais destaca-se a Lagoa Dom Helvécio, com 6,7 Km2 e profundidade de até 32,5 metros. As lagoas abrigam uma grande diversidade de peixes, com espécies como o bagre, cará, lambari, cumbaca e traíra. Outros animais da fauna brasileira também são frequentes no Parque, como a capivara, anta, macacos-prego, sauá, paca, onça pintada, o macuco e o maior primata das Américas, o mono-carvoeiro.

Parque Estadual do Rio Doce
Horário de Funcionamento: 7 às 18 horas
Telefone de contato: (31) 3822-3006
e-mail: periodoce@meioambiente.mg.gov.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .
Como chegar: Saindo de Belo Horizonte pela BR 262, seguir no sentido de Vitória e entrar no entroncamento para São José do Goiabal, entre João Monlevade e Rio Casca. Depois, prosseguir 6,5 km asfaltados pela BR 320. A partir daí, segue-se a sinalização até a entrada do parque. Outra opção é seguir pela BR 381, sentido Belo Horizonte-Governador Valadares, passando por Timóteo. Dali até o parque são 20 km de estrada de terra.

Distância de Belo Horizonte ao Parque: 248 km

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.