VOLTAR

Parque Estadual da Ilha do Cardoso comemora 44 anos

Instituto Florestal/SP
Autor: Cleber Rocha Chiquinho
04 de jul de 2006

O Parque Estadual da Ilha do Cardoso (PEIC) comemorou no dia 03 de julho de 2006 seu 44o aniversário e a 100ª reunião do Conselho Consultivo. A comemoração ocorreu no Núcleo Perequê, sede do Parque na Ilha e contou com a presença de funcionários, monitores ambientais, moradores tradicionais e conselheiros do referido Conselho.

A 100ª reunião do Conselho Consultivo, um dos primeiros conselhos implantados em parques estaduais do Estado de São Paulo, foi marcada por uma retrospectiva das atividades desenvolvidas no PEIC nestes 44 anos e uma avaliação do andamento deste Conselho em seus 8 anos de existência. Cada conselheiro pode apresentar sua experiência como membro e relatar a importância dessa forma de gestão participativa para o dia-a-dia da unidade de conservação.

"O Conselho está de parabéns, principalmente no que diz respeito a abertura que foi dada aos moradores para expressarem seus problemas e buscarem soluções conjuntas", salienta Eliel Pereira de Souza, representante do IBAMA e presidente da APA-CIP - Área de Proteção Ambiental - Cananéia-Iguape-Peruíbe. Para Ezequiel de Oliveira Junior, morador tradicional e presidente da AMOMAR (Associação dos Moradores do Marujá), "O Conselho Consultivo e o Plano de Manejo são duas grandes conquistas que só trazem benefícios, tanto para o parque quanto para as comunidades tradicionais que aqui vivem".

Por fim, Marcos B. Campolim, responsável pelo expediente do PEIC e coordenador do Conselho Consultivo elogiou os funcionários, monitores ambientais e voluntários e ressaltou "O parque está hoje assim devido ao empenho e persistência desse grande número de pessoas" e relembrou algumas conquistas notáveis para o PEIC, como o ordenamento da visitação pública, apoio e incentivo ao turismo de base comunitária, atividades de estudo do meio e centros de visitantes interativos, programa de visitação pública para as escolas públicas, atuação conjunta com o Ministério Público, criação do grupo de trabalho insterinstitucional para o tratamento das questões indígenas no PEIC, reconhecimento das comunidades tradicionais, elaboração e revisão do Plano de Manejo e a criação do próprio Conselho Consultivo.

Após a fala dos conselheiros e do coordenador, uma exposição de belas imagens sobre o PEIC finalizou a reunião e todos foram convidados para um almoço coletivo, que ao som do tradicional Fandango Caiçara comandado pelos Jovens Fandangueiros do Itacuruçá, grupo musical formado por moradores tradicionais do Parque, puderam dançar e degustar muita tainha assada.

Parque Estadual da Ilha do Cardoso

O Parque Estadual da Ilha do Cardoso (PEIC) foi criado em 1962 pelo Decreto Estadual no 40.319 e possui 13.500 hectares. Localiza-se no município de Cananéia, litoral sul de São Paulo, no complexo estuarino-lagunar de Iguape-Cananéia-Paranaguá, área que se estende de Peruíbe até a cidade de Paranaguá (Paraná). Esta região abrange 200 Km de litoral e detém a maior parte do que restou da Mata Atlântica, após décadas de destruição. Por estar situado em uma área prioritária da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, este Parque foi reconhecido pela UNESCO, em 1992, como verdadeiro Patrimônio Natural da Humanidade, apresentando inúmeros atributos que justificam sua importância internacional.

O PEIC se destaca entre as Unidades de Conservação do Estado de São Paulo por ser um dos primeiros parques a ter seu Plano de Manejo elaborado de forma participativa e aprovado pelo CONSEMA (Deliberação CONSEMA no 30 de 24/10/2001) e por apresentar um Conselho Consultivo instituído e em plena atividade. Além disso, possui em seu interior seis comunidades tradicionais que hoje desempenham um papel fundamental na manutenção do equilíbrio ambiental e na conservação da cultural local.

O Conselho Consultivo do PEIC foi formalizado em 1998 e atualmente conta com 18 representações: um representante de cada comunidade do Parque (Marujá, Enseada da Baleia, Pontal do Leste, Itacuruçá, Cambriú e Foles), 6 representantes de instituições governamentais (Prefeitura Municipal da Estância de Cananéia, Câmara dos Vereadores de Cananéia, Instituto de Pesca, IBAMA, Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e Parque Estadual da Ilha do Cardoso) e 6 representantes de entidades não governamentais, todas sediadas na região (Fundação SOS Mata Atlântica, Centro de Estudos Ecológicos GAIA Ambiental, Pastoral dos Pescadores de Cananéia, Colônia de Pescadores Apolinário Araújo, Associação de Monitores Ambientais de Cananéia e Associação Comercial e Empresarial de Cananéia). O Conselho possui uma dinâmica de reuniões mensais itinerantes, nas quais se discutem assuntos referentes a todos os programas de gestão da unidade de conservação e hoje serve de modelo para outras unidades de conservação.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.