VOLTAR

Parque ameaçado: pistoleiros estão furtando madeira de reserva verde (MT)

Gazeta de Cuiabá
26 de Mar de 2004

Soldados do Grupo Especial de Fronteira (Gefron) estão em estado de alerta para, nas próximas horas, expulsar cerca de 30 pistoleiros que invadiram, o parque estadual da Serra de Santa Bárbara, noroeste do Estado, a 400 Km de Cuiabá. A invasão ocorreu há uma semana. O grupo, fortemente armado, estaria promovendo desmatamento para extração e venda de madeira da área de preservação ambiental. Além da retirada de madeira, os pistoleiros estariam demarcando a área para loteamento.

A denúncia foi feita à direção da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Fema), nesta semana, por uma autoridade do município. Nela consta que, além da invasão e demarcação da terra, os invasores estariam promovendo verdadeiro extermínio dos animais silvestres.

O anúncio sobre a operação do Gefron na área foi revelado pela chefe do escritório-regional da Fema, em Cáceres, Elisângela Porto. Ontem, ela estaria acertando com o comandante do grupo de fronteira, detalhes finais.

"As informações são de que, existem dezenas de pistoleiros fortemente armados na área. E nós não temos como enfrentar uma situação dessa sem força policial, por isso recorremos ao Gefron", afirmou. Segundo Porto, além do Gefron, a operação contará com a participação de fiscais da Fema, Ibama e soldados da Polícia Ambiental. A polícia não revela o dia exato da operação para não atrapalhar a estratégia. Contudo, a diretora da Fema, acredita que ela deverá acontecer, neste final de semana.

O parque estadual da Serra de Santa Bárbara, de 120.092,11 hectares, localiza-se no município de Porto Esperidião. Além da beleza, o local é um dos mais importantes da região para pesquisas científicas. Nele observa-se fauna e flora típica do bioma cerrado, pantanal e florestas, além de importantes recursos hídricos, bem como características históricas e culturais.
(Sinézio Alcântara-Gazeta de Cuiabá-Cuiabá-MT-26/03/04)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.