VOLTAR

Parnaso quer criar nova sede em Petrópolis

Prefeitura de Petrópolis - https://petropolis.rj.gov.br/
Autor: Prefeitura de Petrópolis
19 de out de 2018

Parnaso quer criar nova sede em Petrópolis
19/10/2018

Parque recebeu, só este ano, 14.954 pessoas até setembro que passaram pela entrada do município. Nova estrutura deverá aumentar o movimento de visitantes

A unidade de conservação está entre os principais pontos turísticos da cidade

De janeiro a setembro deste ano, passaram pela entrada de Petrópolis do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, o Parnaso, quase 15 mil pessoas. A maior parte do território do parque está na Cidade Imperial. É aqui a entrada da travessia Petrópolis-Teresópolis, considerada a mais bonita do Brasil. E é por isso que o município deverá ganhar uma nova sede. O parque já está em fase final para a viabilização de um terreno que deverá abrigar uma grande estrutura - processo que vem desde 2011. A ideia é que o lugar funcione como meio de hospedagem, alojamento para, por exemplo, pesquisadores e brigadistas, área para camping, além de loja de souvenir, informações, entre outros, semelhante à estrutura já existente em Teresópolis.

O Parnaso é uma das unidades de conservação mais conhecidas e visitadas do Brasil, e o terceiro Parque Nacional mais antigo do país. Só no ano passado, o parque registrou um total de 42.021 mil pessoas passando pela entrada de Petrópolis.

O investimento no ecoturismo tem um segundo ganho para a cidade: ajuda a conservar as riquezas naturais porque traz à região um público que preza pelo Ambiente e também estimula estar atentos à preservação.

"Estamos em fase final no processo de desapropriação do terreno para a nova sede. O próximo desafio será a implementação desse espaço. Atualmente só temos uma portaria em Petrópolis, e nossa expectativa é de que uma nova sede aumente a visitação. As pessoas procuram muito esse contato com a natureza, muitos que vivem em cidades conturbadas procuram espaços mais calmos e tranquilos, como aqui", destaca o chefe do Parnaso, Leandro Goulart.

Petrópolis tem seguido a tendência mundial de valorização do turismo sustentável, de natureza e ecoturismo. Cercado de opções para lazer e prática de esportes ao ar livre, o Parnaso é só um exemplo de que o município vem se consolidando como referência nesse tipo de atividade.

"O ecoturismo é uma das vocações da cidade. Somos um município plural, com diversos circuitos turísticos, mas o turismo de natureza está entre os nossos principais atrativos. Temos uma cidade linda, rodeada de verde e com grande parte do Parnaso, que atrai visitantes do mundo inteiro", frisa o prefeito Bernardo Rossi. "Os turistas têm, cada vez mais, procurado por destinos onde é possível esse contato com a natureza. E o Parnaso oferece atividades para todos os gostos, como caminhadas leves ou mais pesadas, cachoeiras, trilhas, entre outras", completa o secretário da Turispetro, Marcelo Valente.

Com a nova sede no Parnaso também será possível ampliar o número de brigadistas no local, já a parte de Petrópolis é a que mais sofre com problemas relacionados à incêndios florestais.

O Parnaso é uma Unidade de Conservação Federal de Proteção Integral, subordinada ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Em Petrópolis, o acesso é feito por Corrêas. A Travessia Petrópolis-Teresópolis é um dos atrativos mais conhecidos do parque, feita em dois ou três dias, percorrendo 42 km de trilhas. Banhos de cachoeira e as caminhadas para apreciar a vegetação e a fauna da Mata Atlântica também estão entre as opções. Criado em 1939 para proteger a paisagem e a biodiversidade daquele trecho da Serra do Mar na Região Serrana, são 20.024 hectares protegidos nos municípios de Teresópolis, Petrópolis, Magé e Guapimirim. O Parque abriga mais de 2.800 espécies de plantas, 462 espécies de aves, 105 de mamíferos, 103 de anfíbios e 83 de répteis, incluindo 130 animais ameaçados de extinção. O parque funciona de 8h às 17h.

https://petropolis.rj.gov.br/pmp/index.php/imprensa/noticias/item/11147…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.