VOLTAR

País desconhece sua diversidade

OESP, Vida, p. A19
23 de mar de 2006

País desconhece sua diversidade
200 mil espécies registradas devem ser 10% do total

Herton Escobar
ENVIADO ESPECIAL
CURITIBA

O Brasil é o país com a maior biodiversidade do planeta. Mas é também o com o maior desconhecimento científico sobre seus recursos biológicos. Segundo a mais recente Avaliação do Estado do Conhecimento da Biodiversidade Brasileira, divulgada em Curitiba, as cerca de 200 mil espécies já registradas no Brasil representam apenas 10% do número total estimado para o País. E apenas 1% das registradas são conhecidas em profundidade pela ciência - as outras são pouco mais que nomes numa lista, segundo o gerente do Programa de Conservação da Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, Bráulio Dias.

O relatório, coordenado pelo pesquisador Thomas Lewinsohn, da Unicamp, foi divulgado na 8ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica das Nações Unidas (COP 8). Os dados, segundo Dias, revelam o desconhecimento sobre a biodiversidade do Brasil e do mundo, assim como a necessidade de aumentar os esforços de pesquisa para descrição e classificação de espécies (taxonomia). "Na velocidade que estamos, é um trabalho que levará alguns séculos", disse. "Precisamos acelerar os esforços." Parte do problema é a falta e a má distribuição de pesquisadores.

"Se fossem distribuídos de acordo com a biodiversidade, o Brasil deveria ter um quinto ou um quarto dos taxonomistas do mundo." O levantamento mostra que os pesquisadores dessa área são poucos e estão concentrados no Sudeste. De um total de 216 cientistas, 58 estão no Estado de São Paulo (26%) e 43, no Rio (20%).

Sob a coordenação do Brasil, centenas de pesquisadores produziram um documento com 30 recomendações globais para o aumento do conhecimento da biodiversidade. O Ministério da Ciência e Tecnologia também lançou o Programa Nacional de Capacitação em Taxonomia, para formar 60 doutores nessa área nos próximos sete anos.

OESP, Vida, 23/03/2006, p. A19

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.