VOLTAR

Padilha discute proteção para índios da etnia Zo'é

Sesai - http://portal.saude.gov.br/
Autor: Valéria Amaral e Zeca Moreira
15 de fev de 2011

Do grupo de sete homens e uma mulher que chegou ontem (14) à capital, seis jamais haviam deixado sua aldeia

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, recebeu nesta terça-feira (15) oito índios da etnia Zo'é, do norte do Pará. O grupo veio à Brasília solicitar formas de proteção a saúde dessa população. A equipe estava acompanhada do presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Meira, e do coordenador geral de Índios Isolados e Recém Contatados da Funai, Elias Biggio.

Os índios moram no município de Óbidos (PA), próximo a cidade de Santarém (PA), e mantém pouco contato com a sociedade. Durante o encontro, o grupo relatou um recente surto de gripe. A informação preocupou o ministro que, diante disso, solicitou ao secretário especial de Saúde Indígena, Antônio Alves de Souza, a criação de uma barreira de controle para evitar que caso semelhante não ocorra mais na região e em outras no país.

"A meta é para que, até o final do ano, haja a construção de uma política de saúde específica para os índios com recente contato. A ideia é evitar a contaminação por meio da entrada de pessoas não autorizadas", destacou o ministro.

Embora a Funai procure preservar os índios isolados do convívio com outras sociedades, os próprios Zo'é têm demonstrado interesse em ampliar as relações com a sociedade. Um dos pedidos desses povos era conhecer Brasília.

Quebrando o protocolo, no final da reunião, o ministro convidou o grupo para conhecer a sala do gabinete, onde há uma vista do Congresso Nacional e do Palácio do Itamaraty. Dos sete homens e uma mulher que chegou ontem (14) à capital, seis jamais haviam deixado sua aldeia. Eles permanecem na cidade até a próxima quinta-feira (17).

http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idt…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.