VOLTAR

ONGs poderão gerir Parques junto com o governo de São Paulo

Noticias Socioambientais
21 de jan de 2002

Campos do Jordão, Ilha do Cardoso e Morro do Diabo são os Parques Estaduais que podem ser administrados respectivamente pela SOS Mata Atlântica, pelo ISA e pelo IPE, em conjunto com o governo, uma iniciativa pioneira em São Paulo.
À SOS Mata Atlântica foi proposta uma parceria para a gestão doPES Campos do Jordão, onde a instituição atuou em janeiro do ano 2000. Na época, fortes chuvas causaram deslizamento de encostas, com a destruição de casas e barracos na área do entorno, e o Rio Sapucaí depositou grande quantidade de lixo nas margens alagadas. A ONG fez uma campanha para arrecadação de alimentos para as pessoas desabrigadas e organizou mutirões de limpeza e recuperação de trilhas do parque.
Em relação ao ISA, a implementação de projetos participativos de desenvolvimento sustentável com quilombolas no Vale do Ribeira e a trajetória da ONG na defesa da região e do bioma Mata Atlântica como um todo foram alguns dos motivos que levaram o governo paulista a propor uma parceria para a gestão do Parque. Entre os desafios da região, que abriga um importante remanescente de Mata Atlântica e mananciais de água, está a relação com populações tradicionais e não-tradicionais ali existentes.
O convite feito pelo governo ao IPÊ para uma parceria no Parque , justifica-se pelos projetos que a ONG desenvolve na região, como a zona tampão agroflorestada em volta do Parque, o monitoramento de animais como a onça-pintada, a anta e o mico-leão preto, e o trabalho de conscientização da população sobre a preservação da biodiversidade local. As propostas para a gestão do Morro do Diabo serão orientadas pelo Plano de Manejo do Parque, que está em elaboração com recursos do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA).,

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.