VOLTAR

ONGs pedem consumo responsavel no Natal

OESP, Vida, p.A12
21 de dez de 2004

ONGs pedem consumo responsável no Natal
Evitar a compra excessiva de presentes e de produtos que possam agredir a natureza é uma das recomendações
Herton Escobar
A motivação pode ser religiosa, mas o que costuma marcar o Natal para a maioria das pessoas é a corrida enlouquecida pela compra de enfeites e presentes. Diante deste frenesi anual de consumo, organizações não-governamentais recomendam seletividade na hora de escolher o cardápio da ceia ou o presente do amigo secreto, para evitar a compra de produtos ecologicamente ou socialmente "incorretos". Por exemplo, artigos relacionados a espécies ameaçadas ou que possam causar degradação ao meio ambiente.
Em um relatório publicado este ano sobre consumo responsável, chamado Good Stuff? (Coisa Boa?), o WorldWatch Institute, com sede em Washington, sugere um princípio básico de três Rs: reduza, reuse, recicle. Ou seja: evite comprar coisas que você não precisa; use aquilo que comprar ao máximo e, quando possível, pratique a reciclagem.
"Ainda acho bonito uma árvore cheia de presentes embaixo, mas para o planeta não é um bom negócio", diz o presidente do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente, Helio Mattar, que este ano limitou o número de presentes na família em um para cada filho.
Para Mattar, há muitas maneiras de se demonstrar afeição e comemorar o Natal sem precisar sair de um shopping center cheio de sacolas. Ele, por exemplo, costuma todo ano escrever um texto e escolher músicas especiais para a noite com a família. "São coisas que podem ter um significado extraordinário, tanto para quem dá quanto para quem recebe", diz.
O WorldWatch Institute lembra que cada produto que compramos no dia-a-dia envolve uma cadeia de produção, cuja manutenção exige consumo de energia e matérias-primas. O plástico das embalagens requer petróleo e polui o ambiente. A madeira das caixas pode envolver a derrubada de florestas. A produção de alimentos exige o uso de pesticidas. E assim por diante. Até o deslocamento até o shopping exige a queima de combustível, que lança gás carbônico na atmosfera e contribui para o aquecimento global.
O melhor, segundo as ONGs, seria optar por produtos biodegradáveis, madeira certificada, alimentos orgânicos e meios de transporte coletivos e menos poluentes, como o metrô. Para Mattar, do Instituto Akatu, não é preciso radicalismo, mas um equilíbrio entre as alternativas tradicionais e aquelas de cunho sustentável. Além de um presente de loja, por exemplo, pode-se comprar um presente feito de material reciclável, com embalagem reaproveitável ou produzido por uma cooperativa que beneficie comunidades carentes.

OS 3 Rs
Reduzir: Evite comprar coisas desnecessárias ou além do que você precisa. Ao comprar, procure sempre o produto de melhor tecnologia - por exemplo, uma máquina de lavar que utiliza menos água.
Reuse: Utilize cada produto ao máximo e, se possível, compre coisas usadas.
Recicle: Pratique a reciclagem, mas saiba que isso resulta de produção de mais produtos.

OESP, 21/12/2004, p. A12

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.