VOLTAR

MPF pede investigação de protestos contra retirada de não índios de reserva em Mato Grosso

Agência Brasil - http://agenciabrasil.ebc.com.br/
Autor: Alex Rodrigues
13 de dez de 2012

Brasília - O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF-MT) pediu à Polícia Federal (PF) que investigue quem está à frente dos protestos de manifestantes contrários ao cumprimento da decisão judicial que determina a saída dos que não são índios da Terra Indígena Xavante Marãiwatsédé, no nordeste do estado.

O ofício com a determinação foi entregue ontem (12) à Delegacia da PF em Barra do Garças. Em nota divulgada há pouco, o MPF explica que decidiu pedir a investigação após a divulgação de notícias segundo as quais o vice-presidente regional da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Marcos da Rosa, incita as manifestações e os bloqueios de rodovias federais.

Segundo o procurador da República Otávio Balestra Neto, autor do pedido de investigação, se for confirmada, a conduta do líder ruralista é ilegal e ele pode ser punido com reclusão de um a três anos ou detenção de três a seis meses em regime semi-aberto ou aberto.

Depois de confronto ocorrido segunda-feira (10), quando policiais e manifestantes contrários à decisão judicial se enfrentaram com pedras e balas de borracha, não se registraram mais conflitos. Ainda assim, manifestantes continuam bloqueando trechos da BR-158, que liga Barra do Garça, em Mato Grosso, a Belém, no Pará.

Homologada por decreto presidencial em 1998, a Terra Indígea Marãiwatsédé tem 165.241 hectares e abrange parte do território das cidades mato-grossenses de Alto Boa Vista, Bom Jesus do Araguaia e São Félix do Araguaia, no nordeste do estado. Um hectare corresponde a 10 mil metros quadrados, aproximadamente as medidas de um campo de futebol oficial.

A Agência Brasil entrou em contato com a Famato, para ouvir Marcos da Rosa, mas, até o momento, não obteve resposta.

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-12-13/mpf-pede-investigaca…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.