VOLTAR

Mobilização contra infanticídio acontece hoje

Bem Paraná - www.bemparana.com.br
16 de jul de 2008

Dias antes do Congresso Nacional iniciar seu período de recesso, um movimento popular organiza manifestações públicas em 10 estados do Brasil. A motivação é apoiar o Projeto de Lei batizado de Lei Muwaji, que age contra o infanticídio indígena. Se aprovada, a lei vai garantir que os direitos das crianças indígenas sejam protegidos com prioridade absoluta. A mobilização em Curitiba deve reunir, às 15 horas, cerca de 200 pessoas em frente ao Palácio Iguaçu que marcham em direção à Boca Maldita.

Estima-se que, anualmente, mais de 200 crianças indigenas de várias tribos são rejeitadas por suas comunidades, condenadas à morte por serem portadoras de deficiências físicas ou mentais, por serem gêmeas, ou filhas de mãe solteira. Por estas razões são enterradas vivas, envenenadas ou abandonadas na floresta. Muitas são recém-nascidas e outras são mortas dos três aos 11 anos de idade.

O infanticídio é comum em determinadas espécies animais, que o utilizam como uma forma de selecionar os mais aptos. Quando têm gêmeos, os sagüis matam um dos filhotes. Chimpanzés e gorilas abandonam as crias defeituosas. A prática era recorrente em civilizações de séculos atrás. Entre os índios brasileiros, o ato foi abolido à medida que a cultura chegava às tribos mas, infelizmente ele ainda resiste. Atualmente, é praticado por, no mínimo, 13 etnias nacionais.
"Esse projeto de lei já está para ser votado há mais de um ano. Nesse meio tempo, quantas crianças não foram mortas vítimas do infanticídio. Esse manifesto é uma voz pela vida das crianças que nascem com algum alguma deficiência", declarou Edmilson Nazaré Del Santo, do grupo de apoio ao movimento.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.