VOLTAR

Ministro de Minas e Energia defende novas usinas nucleares

OESP, Vida, p. A18
16 de set de 2011

Ministro de Minas e Energia defende novas usinas nucleares

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, defendeu ontem, no Rio, a continuidade dos projetos de construção de usinas nucleares no Brasil, "a despeito dos acidentes ocorridos lá fora", como o de Fukushima, no Japão, em abril, e o da França, nesta semana. Em São Paulo, o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, afirmou, no entanto, que o programa está sendo reavaliado. "O plano de médio prazo previa a construção de quatro novas usinas até 2030, mas essa questão está em suspensão por conta de Fukushima", disse.
Apesar de rever a construção das quatro usinas, o executivo afirmou que o governo não descarta investimentos em energia nuclear. "Estamos vendo o que está acontecendo no mundo para tomar uma decisão cautelosa. Não temos pressa." Segundo ele, a matriz elétrica brasileira nos próximos anos deverá ser constituída de hidrelétricas, usinas eólicas, de biomassa e térmicas à gás.
Para o ministro de Minas e Energia, os acidentes no exterior sinalizam os riscos a ser evitados. "Aprendemos um pouco mais com cada acidente", disse Lobão. Falando especificamente de Fukushima, destacou que foi uma "fatalidade, uma tragédia de causas naturais". "Houve um tsunami, um terremoto. E o gerador a diesel não funcionou. Se tivesse funcionado, a usina estaria em segurança. Mas o nosso sistema no Brasil já nem prevê esse tipo de gerador."
Lobão disse que a construção das quatro usinas está mantida, e o governo analisa onde elas serão instaladas. Pelo menos duas delas ficarão no Nordeste e outras duas, no Sudeste.

OESP, 16/09/2011, Vida, p. A18

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,planeta,773226,0.htm

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.