VOLTAR

Ministro atende usina de álcool e não demarca terra potiguara

O São Paulo (São Paulo - SP)
01 de set de 1989

Atendendo a pressões da Usina Miriri, propriedade do Grupo Lundgren, o mesmo das Casas Pernambucanas, o ministro do Interior, João Alves, está retardando a demarcação da terra indí­gena da aldeia Jacaré de São Domingo, localizada no município paraibano de Rio Tinto e habitada por índios Poti­guara.

Apreciado no dia 14 de fevereiro últi­mo pelo grupo de Trabalho Interministerial (GTI), o processo de demar­cação do território Potiguara foi envia­do ao ministro do Interior para que ele desse prosseguimento às medidas admi­nistrativas que finalizem a demarcação.

Mas, após ter recebido da Usina Miriri dossiê requerendo o pretenso direito de domínio da área que ocupa nas ter­ras potiguara, João Alves devolveu o processo à Funai determinando a realização de investigações para apurar o pedido da empresa.

As quatro lideranças potiguara que estão em Brasília para acompanhar o caso estão exigindo que a Funai devolva o processo ao ministro do Interior. Eles afirmam que a usina de álcool não tem nenhum direito sobre as terras que tra­dicionalmente ocupam.

João Alves não poderia ter enviado o processo de volta à Funai, pois o grupo de trabalho que o examinou sabia da presença da empresa no território potiguara, tendo inclusive determinado o valor da indenização das benfeitorias a ser paga.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.