VOLTAR

Minas comemora 60 anos do Parque do Rio Doce

Folha de S.Paulo
10 de jul de 2004

Começaram neste sábado as comemorações do 60o aniversário do Parque Estadual do Rio Doce, nos municípios de Marliéria, Dionísio e Timóteo, no chamado Vale do Aço, em Minas Gerais. Estão previstas atividades durante toda a semana, que envolverão as comunidades dos municípios do entorno da unidade de conservação.
O Parque, administrado pelo Instituto Estadual de Florestas, abriga a maior reserva de mata atlântica do Estado e é reconhecido como Reserva da Biosfera pela ONU (Organização das Nações Unidas).
As comemorações do aniversário começam no sábado, às 19 horas, com culto na Igreja Matriz de Conceição de Minas. Durante toda a semana, uma série de atividades acontecerão na vizinhança e no próprio parque.
O ponto alto da festa acontecerá no dia 17 de julho com a tradicional Cavalgada e a 11ª Romaria Ecológica Diocesana Dom Helvécio.

"Bispo das matas"
As primeiras iniciativas no sentido de preservar o Parque Estadual do Rio Doce aconteceram no início da década de 1930, pelas mãos do arcebispo de Mariana, Dom Helvécio Gomes de Oliveira, conhecido como "bispo das matas virgens". Em 14 de julho de 1944, foi criado oficialmente o parque, a primeira unidade de conservação estadual.
O parque possui 36 mil hectares e abriga 40 lagoas que formam o terceiro maior complexo de lagos do Brasil. É uma das mais importantes reservas genéticas do País, por abrigar uma enorme variedade de espécies, algumas ameaçadas de extinção.
Na unidade são encontradas 153 espécies de árvores, 26 de peixes, 325 de árvores e 148 espécies de mamíferos. Podemos encontrar espécies da fauna como o macuco, o mono-carvoeiro e a onça-pintada e árvores como o jacarandá-da-baía e a canela sassafrás.
O Parque oferece uma infra-estrutura para atendimento ao turismo composta por vestiários, restaurante, anfiteatro, centro de informações, estacionamento, camping para 250 barracas (500 pessoas), alojamento para pesquisadores, laboratório, viveiro de mudas e posto da Polícia Ambiental.
(-Folha de S. Paulo-São Paulo-SP-10/07/04)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.