VOLTAR

Meira diz que viu com revolta agressão de índios contra engenheiro da Eletrobrás

Agência Brasil
Autor: Yara Aquino
21 de mai de 2008

Brasília - O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Meira, disse que viu com revolta a agressão dos índios da etnia caiapó ao engenheiro da Eletrobrás Paulo Fernando Rezende, ontem (20), em Altamira, no Pará.

"Vi com muita revolta [a agressão], porque acho que não há justificativa, em hipótese alguma, de uso da violência em qualquer hipótese, seja por quem for, seja por branco, seja por índio. O mecanismo para se discutir e debater qualquer ação do Estado, qualquer atitude no regime democrático, tem que se dar pelo diálogo", afirmou.

O engenheiro foi ferido por um golpe de facão no braço depois de uma exposição sobre a construção da Usina de Belo Monte, um dos principais projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Meira afirmou que a Funai, a exemplo do que já tem feito com outros grupos indígenas, continuará dialogando com os caiapó.

O presidente da Funai deu as declarações ao chegar ao Palácio do Planalto para uma reunião com a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.