VOLTAR

MEC libera recursos para professor indígena no Acre

Tribuna do Acre-Rio Branco-AC
23 de jan de 2002

O Ministério da Educação liberou recursos para a compra de passagens, consultoria, alimentação, combustível e reprodução de material didático de dois cursos que começaram a ser realizados de janeiro a março deste ano para a formação de 293 professores indígenas, de nove etnias, nos estados do Acre e do Amazonas.

O MEC não informou o montante de recursos liberado. Em Rio Branco, 43 professores das etnias Kaxinawá, Katukina, Yawanawá, Apurinã, Machineri, Shawãdawa e Ashanika, pertencentes a 11 terras indígenas do Acre e do Amazonas, participam de curso de formação continuada, que começou em 16 de janeiro e se estende até 1o de março.

Desse grupo de professores, 15 finalizam as primeiras etapas da Formação Inicial do Magistério Indígena, 13 cursam as últimas etapas da formação inicial e 15 cursam a formação continuada. Os professores indígenas lecionam em 40 escolas de oito municípios do Acre e um do Amazonas, onde estudam 1.517 alunos das séries iniciais do ensino fundamental. O curso é coordenado pela Comissão Pró-Índio do Acre (CPIA) com o apoio financeiro do MEC.

Tikuna - De 22 de janeiro a 28 de fevereiro, em Benjamim Constant, no Alto Solimões (AM), acontece a 16ª etapa do curso de Formação de Professores Tikuna em Serviço, atividades de recuperação e um curso de Educação Escolar Indígena para professores que fizeram o ensino médio em escolas regulares. Os professores trabalham em 103 escolas indígenas nos municípios de Benjamim Constant, Santo Antônio do Içá, Tabatinga, São Paulo de Olivença e Amaturá, onde estudam 8.980 alunos de 1ª a 4ª série do ensino fundamental. O curso de formação é coordenado pela Organização Geral dos Professores Tikuna Bilíngüe (Ogptb), uma organização não-governamental, com o apoio financeiro do MEC e da Fundação Nacional do Índio (Funai).

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.