VOLTAR

Marinha apoia Ibama e Polícia Militar Ambiental na fiscalização do desmatamento às margens do Rio Madeira, no Amazonas, em atividade da Operação "Verde Brasil II"

Marinha do Brasil - https://www.marinha.mil.br
01 de jun de 2020

Em prosseguimento às ações da Operação "Verde Brasil II", agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Polícia Militar Ambiental do Estado do Amazonas, com o apoio da Marinha do Brasil, por meio do Navio-Patrulha Fluvial "Rondônia", subordinado ao Comando da Flotilha do Amazonas, constataram, nos dias 23 e 24 de maio, uma área de desmatamento recente de 124 hectares, nas proximidades do município de Borba-AM, no Rio Madeira.

A operação, que tem como escopo o combate a delitos ambientais na Amazônia Legal, utilizou um mapeamento prévio da área de atuação, por meio de satélites do programa Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, e indicativos do sistema de alerta "Deter", fornecidos pela equipe de geoprocessamento do Ibama de Manaus-AM. A área em questão foi desmatada em cortes rasos e queimada.

De acordo com o Comandante da Flotilha do Amazonas, Capitão de Mar e Guerra Carlos Eduardo Lopes da Cruz, e responsável pelo planejamento e coordenação das ações do navio, o papel da Marinha nesse tipo de ação é prover o apoio logístico necessário à eficácia da operação. "Somente a integração das Forças Armadas com os demais órgãos do Governo é capaz de permitir o sucesso das ações, e, nesse caso específico, o Comando do 9o Distrito Naval, por ser uma atividade em ambiente fluvial, dada as especificidades logísticas que o ambiente amazônico nos apresenta".

As ações do Navio-Patrulha Fluvial "Rondônia", no Rio Madeira, continuarão por tempo indeterminado, enquanto estiver em andamento a Operação "Verde Brasil II", do Governo Federal.

https://www.marinha.mil.br/noticias/marinha-apoia-ibama-e-policia-milit…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.