VOLTAR

Marina Silva discutirá o problema nos EUA

OESP, Vida, p. A16
20 de mai de 2005

Marina Silva discutirá o problema nos EUA

Paulo Sotero Correspondente Washington

O aumento do ritmo de destruição da floresta amazônica será um dos temas que a ministra do Meio Ambiente, Marina da Silva, discutirá durante a visita que fará aos EUA, na próxima semana. Numa iniciativa certamente calculada para amortecer o impacto negativo da aceleração da derrubada da floresta, a Embaixada do Brasil trabalha para que seja anunciado um novo grupo de cooperação bilateral sobre meio ambiente, como os que existem nas áreas financeiras e da agricultura.
Na capital americana, a ministra terá reuniões no Banco Mundial, que tem um projeto de apoio da política ambiental brasileira já em andamento, e na Agência de Proteção Ambiental. Ela deverá conversar, também, com especialistas em meio ambiente durante almoço na residência do embaixador brasileiro, Roberto Abdenur.
O biólogo tropical Thomas Lovejoy, que está convidado para o almoço com Marina, reagiu ontem à notícia sobre o aumento no desmatamento dizendo que a administração Lula fez alguns progressos na política ambiental. Mas deixou claro seu temor diante da falta de uma ação mais eficaz a para conter a destruição. "O que realmente me preocupa é que a floresta amazônica tem um ciclo hidrológico, do qual ela depende para funcionar", explicou Lovejoy, presidente do Heinz Center, em Washington.
Stephen Schwartzman, da Environmental Defense, que atua na Terra do Meio, no Pará, disse que a notícia não é inesperada. Schwartzman, no entanto, mostrou-se decepcionado com o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi, cuja família controla o maior negócio de produção de soja do mundo. "Acho que o governador está mostrando um descaso total pelo meio ambiente."

OESP, 20/05/2005, Vida, p. A16

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.