VOLTAR

Manifestantes queimam ponte em MT e bloqueiam novas estradas, diz PRF

G1 - http://g1.globo.com/
25 de jun de 2012

Protesto pede resolução do impasse nas terras da fazenda Suiá Missú.
Rodovia é o principal acesso à cidades da região Araguaia.

Manifestantes queimaram uma ponte de madeira na região da cidade de Alto Boa Vista, distante 1.064 km de Cuiabá. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, os manifestantes bloqueiam a BR-158 desde a madrugada deste domingo (24). Eles protestam contra a demora para resolver o impasse entre governo e indígenas, que pedem que 7 mil pessoas sejam retiradas da região onde antes ficava a fazenda Suiá Missú.

Agentes da PRF estão no bloqueio para fazer a segurança do local. Conforme os policiais, além de atear fogo na ponte, os manifestantes também bloquearam pequenas estradas de terra que dão acesso à cidades da região Araguaia como Confresa, Santa Cruz do Xingu e São Félix do Araguaia.

Ainda segundo a PRF, os manifestantes não permitem que nenhum tipo de veículo passe pela barreira. De acordo com Renato Teodoro da Silveira Filho, presidente da Associação dos Produtores Rurais da área Suiá Missú, os manifestantes estão munidos de faixas e cartazes que pedem que as famílias continuem no local. "Aqui existem 800 casas, temos duas escolas, posto de saúde e inclusive eleitores. Nós somos uma cidade instalada", explicou.

Atualmente cerca de sete mil pessoas moram no local que é tido como sagrado e disputado pelos indígenas da região. A Funai e o Ministério Público Federal (MPF) cobram a recuperação da terra com base em decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) que reconheceu o direito de posse aos índios, que teriam sido retirados na década de 60 e levados para uma aldeia a cerca de 400 km da Marãiwatsede e determinou a saída dos não-índios. Os fazendeiros, no entanto, permanecem no local por meio de recursos interpostos na tentativa de anular a decisão judicial.

http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2012/06/manifestantes-queimam-p…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.