VOLTAR

Malária arrasa a nação Munduruku

O Liberal
08 de nov de 1995

Nos últimos três anos, cerca de 650 índios da nação Munduruku morreram de hepatite, pneumonia, tuberculose, leishmaniose, infecções respiratórias e intestinais e malária. As doenças são contraídas nos garimpos do rio Tapajós, no limite entre os estados do Pará e Mato Grosso. Outros problemas, como o alcoolismo, depressao, cólera e desnutrição também estão cada vez mais graves, devido ao avanço das madeireiras e dos garimpos. Estas dificuldades são enfrentadas também pelos Geripankó, Fulniô, Kampa, Karapotó, Kulina, Maxacali, Mynky, Pakaá, Nova, Tapeba, Tapirabé, Karajá, Tembé, Tikuna, Tukano, Xukuru, Wasu e Yanomami.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.