VOLTAR

Maior produtor de Anaro decide que vai sair de suas seis fazendas

Folha de Boa Vista - http://www.folhabv.com.br/fbv/noticia.php?id=75858
07 de dez de 2009

O administrador regional da Funai, Gonçalo Teixeira, disse que o maior fazendeiro que ainda ocupa a terra indígena Anaro decidiu sair da região. Das 14 fazendas que existiam em Anaro, seis proprietários foram indenizados e já se retiraram. Como os demais não atenderam a convocação de quatro editais publicados, a Funai decidiu fazer o depósito judicial.

Segundo Gonçalo Teixiera, o fazendeiro Elenilson Cicinho, dono de 6 fazendas, procurou a administração regional e se propôs a sair da área mediante o pagamento da indenização.

A Funai o orientou a procurar a Justiça a fim de retirar a ação para que legalmente o órgão indigenista peça à Advocacia Geral da União o desbloqueio do recurso para o pagamento da indenização. Todas as seis propriedades foram reconhecidas de boa-fé, mas o fazendeiro não concordava com os valores das indenizações, por isso ele entrou com uma ação judicial.

Quando todo esse processo estiver encerrado e Cicinho sair da terra indígena, segundo o administrador da Funai, vão restar somente duas fazendas para serem desinstrusadas do Anaro, uma delas onde está o rebanho de gado do arrozeiro Paulo César Quartiero, que já foi retirado da terra indígena Raposa Serra do Sol.

Para retirar o gado está faltando fazer um trabalho de contagem do rebanho, trabalho este que precisa do apoio da Polícia Federal. Mas os entendimentos estão sendo feitos para que isto ocorra o mais breve possível. Concluído a retirada desse gado, restará apenas uma única fazenda, que é uma das menores da região.

A terra indígena Anaro ainda espera pela homologação do presidente Lula da Silva, que deveria ter assinado quando veio a Roraima, em setembro passado, mas pediu mais tempo para concluir o processo de outras terras indígenas e assim realizar o único pacote homologatório.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.