VOLTAR

Líderes do Xingu já estão em Sapezal para as comemorações pelo Dia do Índio

Jornal Documento
17 de abr de 2008

Três dos cinco líderes indígenas que serão homenageados pelo Governo do Estado com a comenda Ordem do Mérito Mato Grosso chegaram a Sapezal (480 km a Noroeste de Cuiabá) na tarde desta quinta-feira (17)14h vindos diretamente do Parque Nacional do Xingu. Os caciques Raoni Txucarramãe, Megaron Txucarramãe e Aritana Yawalapiti aguardam com expectativa as comemorações desta sexta-feira, na aldeia Utiariti, em Sapezal, pela passagem do Dia do Índio (cuja data se comemora em 19 de abril). Os outros dois homenageados com a comenda são os caciques Adalberto Nambikwara, anfitrião do evento, e o cacique João Arrezomãe (João Garimpeiro), da etnia Pareci, cujo território fica ao lado do dos Nambikwara e é separado apenas pelo rio Papagaio.

Depois de passearem pelos principais pontos da cidade, os líderes deram entrevista para a imprensa local. Dos três apenas Aritana conhecia Sapezal. Sobre as homenagens que receberão na forma de uma comenda, os três enfatizaram que entendem que a honraria é em reconhecimentos aos seus esforços pela integração entre as nações indígenas e o homem branco. Falando no dialeto Caiapó, Raoni (traduzido por megaron) disse que está preocupado em ver que a terra do índio foi ocupada ao longo dos anos e que muitas tribos desapareceram. "Peço que respeitem o índio e a terra deles. Para que possam viver em paz em suas terras, preservando seus costumes e vivendo a própria vida", disse Raoni.

Megaron destacou que a homenagem é também pelo reconhecimento pela resistência do índio em lutar para preservar a cultura, a língua e seu território. "Esse reconhecimento do Governo do Estado, do governador Blairo Maggi é muito importante para nós". Sobre a relação índio - homem branco, Megaron reconheceu que hoje o entendimento melhorou e o relacionamento é mais harmonioso. "Existem ainda alguns conflitos, por causa de algumas pessoas que invadem as reservas para explorar a riqueza dos índios e para os caciques dos povos Pareci e Nambikwara, mas lá no Xingu é mais tranqüilo". Sua preocupação para os próximos 50 anos é quanto aos políticos que virão. Ele espera que continuem a apoiar as nações indígenas. "Espero que a cultura continue preservada pelos netos e bisnetos".

Já o líder Aritana, do Alto Xingu, ressaltou o apoio que os índios recebem do governo do Estado. Ele espera que pelo menos pelos próximos 50 anos a cultura do índio seja preservada. Ele fez um alerta aos jovens índios, que se sentem influenciados pelo modo de vida dos brancos: "os jovens acham que viver a cultura dos brancos é mais fácil, mas não é", aconselhou.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.