VOLTAR

Investigações indicam origem indígena e Funai é acionada para a identificação de homem que vivia em situação 'desumana' em mata

G1 https://g1.globo.com/
20 de mar de 2019

A Polícia Civil enviou à Fundação Nacional do Índio (Funai) nesta quarta-feira (20) informações sobre o homem que vivia em situação "desumana" em uma mata e foi resgatado no distrito de Porto Primavera, em Rosana (SP). O órgão federal informou ao G1 que irá acompanhar o caso.

O delegado Ramon Euclides Guarnieri Pedrão informou ao G1 que, para a Polícia Civil, tudo indica que o homem é índio.

Pedrão explicou ao G1 que foram enviadas para a Funai, em Campo Grande (MS), fotos e as poucas informações obtidas do homem, para que a fundação faça contato com as tribos atendidas, com o objetivo de tentar ajudar a identificá-lo.

Conforme o delegado, três pessoas que possuem familiares desaparecidos entraram em contato com a polícia para saber informações sobre o homem.

"Dessas três, duas já foram descartadas, pois o indivíduo não é o parente que procuram. Ainda aguardamos uma resposta da terceira pessoa para saber se ela reconhece o homem resgatado", afirmou Pedrão ao G1.

Ainda de acordo com as informações do delegado, o homem permanece internado no hospital da cidade, onde recebe cuidados médicos.

Nos contatos que tiveram com o homem, os policiais perceberam que ele fala poucas palavras em língua portuguesa e, na maioria das expressões, apenas repete aquilo que lhe é dito. Além disso, os investigadores apuraram que ele aparenta entender o idioma português.

No entanto, segundo Pedrão salientou ao G1, o homem consegue se expressar um pouco no idioma guarani, o que reforça a suspeita de que tenha origem indígena.

O delegado acredita que ele tenha de 25 a 35 anos de idade.

Funai
Em nota enviada ao G1, a Coordenação Regional da Funai em Campo Grande (MS) informou que foi comunicada na tarde desta quarta-feira (20) a respeito do caso pela Delegacia da Polícia Civil de Rosana (SP), que solicitou apoio para a identificação do homem.

"Ainda aguardamos novas informações e as fotos a serem fornecidas pelo delegado. O caso será acompanhado por esta Coordenação", finalizou a Funai.

O caso
Um homem que, segundo relatos de moradores, vivia em uma mata que margeia o Rio Paraná, no distrito de Porto Primavera, em Rosana, foi resgatado por policiais na segunda-feira (18). Ele, que foi levado para o hospital da cidade, apresentava condições "desumanas" de higiene pessoal no momento da abordagem, segundo a Polícia Civil, e sua identidade é desconhecida.

Há cerca de quatro meses, policiais recebiam relatos informais sobre um homem que estaria residindo em meio a um local conhecido como Mata do Grêmio, se alimentando de cães mortos e de restos orgânicos que são descartados no terreno.

Além disso, também surgiram relatos de supostas tentativas de agressões e de uma agressão física consolidada - que foi registrada no ano passado - que em tese teriam sido praticadas por este homem.

Com as informações, a Polícia Civil passou a realizar diversas diligências no intuito de localizar e identificar a pessoa.

Segundo relatos informais repassados à polícia, o homem não era socializado e apresentava atraso mental.

Na última segunda-feira (18), novas informações apontaram que o homem caminhava pela rodovia que dá acesso ao vizinho Estado do Mato Grosso do Sul.

Após confirmar a situação, a Polícia Civil solicitou apoio da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros e as equipes foram ao local, onde o homem foi encontrado.

No momento da localização, o homem estava armado com uma pequena faca de serra, que foi apreendida pelos policiais, e, apesar de no início ter apresentado comportamento hostil, logo aceitou a abordagem.

Conforme a polícia, o homem não conseguia se comunicar e repetia poucas palavras daquelas que ouvia, sempre demonstrando temor das pessoas que com ele tentavam interagir. As suas condições de higiene pessoal eram desumanas e degradantes, também segundo a Polícia Civil.

Os policiais entraram em contato com o Ministério Público local e com a Secretaria Municipal de Saúde e o homem acabou encaminhado ao hospital para receber cuidados médicos e ser avaliada a sua possível internação.

Uma equipe policial coletou as impressões digitais do homem para tentar a sua posterior identificação.

Inicialmente, a Polícia Civil também cogitava a possibilidade de o homem, que demonstrava evidente situação de vulnerabilidade, ter origem paraguaia ou boliviana.

https://g1.globo.com/sp/presidente-prudente-regiao/noticia/2019/03/20/i…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.