VOLTAR

Invasores constroem casas em terra indígena de tribo isolada em MT e deixam a área após notificação de órgãos federais

G1 https://g1.globo.com/
21 de dez de 2018

Um grupo de invasores que construiu casas na Terra Indígena Kawahiva do Rio Pardo, em Colniza, a 1.065 km de Cuiabá, deixou a área depois de ser notificado por órgãos federais em Mato Grosso. Os povos indígenas, da etnia Kawahiva, vivem isolados nessa região. A informação foi divulgada nesta semana pelos órgãos.

De acordo com informações da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), o prazo do último aviso para que os invasores deixassem a área venceu no dia 14 deste mês. Eles deixaram o local antes dessa data.

Segundo a Funai, o processo faz parte de uma etapa na proteção dos povos indígenas isolados da Terra Indígena Kawahiva do Rio Pardo, no noroeste de Mato Grosso. O processo tem a missão de garantir a vida do povo isolado, que depende do território para a sobrevivência.

A área foi declarada de posse permanente do povo Kawahiva pela Portaria 481 do Ministério da Justiça, no dia 20 de abril de 2016.

De acordo com a Diretoria de Proteção Territorial (DPT/Funai), os cinco ocupantes não indígenas retiraram-se da área antes mesmo do prazo de desocupação, que foi encerrado no dia 14 de dezembro. A vistoria foi feita por terra e também com uma aeronave do Ibama.

Agentes da Justiça Federal fixaram a intimação de desocupação em benfeitoria ilegal construída na TI Kawahiva.

Durante o ano 2018 também foram realizadas outras 14 ações de fiscalização na terra indígena. A ação contou com representantes do Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso, a Polícia Federal (PF) e a Justiça Federal.

https://g1.globo.com/mt/mato-grosso/noticia/2018/12/21/invasores-constr…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.