VOLTAR

Índios são capacitados no mecanismo de Redd

Invertia - http://invertia.terra.com.br
Autor: P. Carvalho
11 de mai de 2009

Líderes indígenas e populações tradicionais da Amazônia estão em Brasília para participar de evento destinado a capacitá-los a participar do debate científico e entender as negociações internacionais que serão realizadas na 15.ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), em dezembro, em Copenhague.

Durante o seminário Desmistificando Redd: fortalecendo a participação dos povos indígenas e tradicionais nas discussões sobre mudanças climáticas, eles terão palestras do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, de representantes do Ministério do Exterior e da negociadora de Redd pelo Brasil, Thelma Krugg.

O Redd é um mecanismo destinado a proteger a floresta em pé, a evitar a emissão de carbono provocada pela derrubada, a queima das florestas e a combater o efeito estufa. "Esse mecanismo, a ser definido na conferência de Copenhague, pode vir a compensar financeiramente aqueles que protegem e conservam suas florestas", diz o coordenador de pesquisa do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), Paulo Moutinho.

No Brasil, a iniciativa federal de fomento ao Redd é o Fundo Amazônia. No País, índios e populações tradicionais são responsáveis pela preservação de cerca de 1 milhão de quilômetros quadrados de florestas tropicais, cerca de 35% da Amazônia.

O evento Desmistificando Redd: fortalecendo a participação dos povos indígenas e tradicionais nas discussões sobre mudanças climáticas é realizado pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, Conselho Nacional de Seringueiros, Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica e Grupo de Trabalho Amazônico.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.