VOLTAR

Índios recorrem a Sérgio Ricardo para tentar reverter decisão da Funai

O Documento
01 de abr de 2008

Índios das etnias Bacairi, Terena, Xavantes, Umutina, Bororó, Chiquitano, Guató e Nambiquara pediram apoio ao presidente da Assembléia Legislativa, deputado Sérgio Ricardo, na tarde desta segunda-feira (31.08) para reverter decisão da Funai (Fundação Nacional do Índio) contra a transferência da sua sede regional administrativa da Capital para Juína (737 km de Cuiabá).

A transferência foi determinada pela Portaria 223 publicada no Diário Oficial da União no dia 26 de março deste ano. Com ela, a sede regional da Capital perdeu a autonomia financeira e administrativa e foi transformada em núcleo de apoio operacional. O sentido inverso ocorre em Juína, que passou a ser sede regional do órgão federal das unidades de Cuiabá, Rondonópolis e Vilhena (RO).

De acordo com a representante dos cerca de 50 índios, Creuza Soripa, do povo Umutina de Barra do Bugres, os índios residentes nas demais regiões do estado serão prejudicados uma vez que todos os demais órgãos do estado são sediados na capital. Outro entrave para a mudança, segundo ela, é que o escritório de Juina conta com menos de dez servidores enquanto em Cuiabá eram cerca de 50.

Os índios que fizeram protesto durante toda a tarde de ontem, cerca de 50, aguardavam a chegada de outros de diversas etnias. Amanhã, terça-feira (01.04), às 15 horas eles têm reunião na AL com o presidente Sérgio Ricardo. Enquanto isso, os índios estão na sede da Funai de Cuiabá.

Uma nova portaria foi publicada no Diário Oficial exonerando dois servidores de Cuiabá e nomeando substitutos para Juína. Foram exonerados, o diretor regional Carlos Márcio Vieira Barros e o substituto do administrador regional Benedito César Garcia Araújo. No mesmo ato foi nomeado Antonio Carlos Ferreira de Aquino para o cargo de substituto do administrador regional. Ele é lotado em Juína. Todos são cargos comissionados.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.