VOLTAR

Índios querem escola

O Globo Online - Educação à Brasileira
Autor: Demétrio Weber
29 de mai de 2008

Volto de uma visita a três aldeias dos índios marubos, na terra indígena Vale do Javari (AM), na fronteira com o Peru. O objetivo da viagem era acompanhar uma expedição da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), órgão do Ministério da Saúde, que tenta levar assistência médica à região.

Os índios são vítimas de malária, hepatite e altas taxas de mortalidade infantil. Parece mentira, mas não há médicos na reserva inteira - uma área de 8,5 milhões de hectares, o mesmo tamanho de Santa Catarina. A população indígena é de 3,7 mil pessoas.

A maioria dos marubos não fala português. Seu idioma, conforme me disseram (será que entendi bem?) é o pano, uma língua incompreensível para brasileiros não-índios. Só algumas palavras são copiadas do português: "médico" e "laboratório" são duas delas.

Precisei de um intérprete para fazer entrevistas. Impressionante para quem se acostumou à idéia de que o Brasil é um país continental que fala um único idioma. Mentira. Mas vai dizer isso para quem se criou na cidade...

As aldeias ficam no "meio" da floresta amazônica. O acesso se dá por ar ou rio. Na aldeia Maronal, dormi na escola, uma casa de madeira com quatro salas e frestas por todos os lados. No quadro negro, havia um texto escrito em língua indígena. Nas paredes, trabalhos escritos à mão, num português com erros grosseiros de ortografia, mostravam alguns dos assuntos tratados em aula: métodos contraceptivos, geografia, a vegetação da floresta.

Dos três professores que lecionam em Maronal, dois têm hepatite B. Todas as turmas são de ensino fundamental.

O cacique e pajé Ivinimpapa, que diz ter 70 anos, deu um entrevista coletiva à beira de um rio - com tradutor, é claro, e a lança ao alcance da mão. Ele reclamou da precariedade do ensino na aldeia:

- Lá fora, o que vale é conhecimento. Poucos aqui têm isso. Vamos ficar atrasados em relação aos brancos. As políticas públicas não chegam. Não existe educação no Vale do Javari.

O apelo da cidade é grande. O que vai ser dos índios no século 21?

(A viagem de Cruzeiro do Sul (AC) até as aldeias foi feita em helicóptero do Exército, a convite da Funasa)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.