VOLTAR

Índios mobilizam e cobram efetivação da Regional da FUNAI em Juina

O Nortão Jornal
Autor: Ivan Pereira e Cleber Batista
08 de abr de 2008

A Fundação Nacional do Índio (FUNAI), está num "fogo cruzado". Enquanto índios da baixada cuiabana cobram a permanência do órgão em Cuiabá, indígenas da região noroeste do estado reivindicam a transferência da unidade para Juina (735 km de capital), o que foi divulgado no Diário Oficial da União (DOU), e posteriormente revogado. Índios de oito etnias se mobilizam através de reuniões e aguardam decisões de Brasília.

Uma das medidas cogitadas seria o bloqueio da MT-170 (Juina a Cuiabá), para chamar atenção das autoridades, porém descartada.

"No momento essa idéia foi desconsiderada, estamos negociando direto com Brasília, mas sabemos que nem tudo é possível segurar", disse Paulo Henrique Skiripi, da etnia Rikibaktsa.

O modelo atual de administração do órgão tem mais de 30 anos, e era adaptado na época para atender de forma centralizada cidades de grande porte, enquanto as demarcações na verdade são no interior.

Na região vivem mais de 6 mil índios, e a implantação do escritório regional do órgão seria mais conveniente em razão dessa população.

"A Assistência da FUNAI aqui é muito importante devido os problemas que há na região", destacou Antonio Carlos de Aquino, chefe do Núcleo em Juina.

Os povos das etnias: Umutina, Bakairi, Guató, Terena, Chiqitano, Bororo, Pareci e Munduruku, que predominam na baixada cuiabana são atendidos por três Núcleos de Apoio, localizados em Colíder, Primavera do Leste e Tangará da Serra, enquanto o Núcleo de Juina é responsável pelos grupos: Apiacá, Kaiabi, Rikbaktsa, EnaWene-Nawe, Cinta Larga, Myky, Arara além dos índios isolados (recentemente descobertos), do Rio Pardo (Colniza).

A questão teve repercussão nacional e desperta a atenção da Organização das Nações Unidas (ONU), de acordo com informações de um documento distribuído na capital, a ONU teria recebido denúncias contra o atual presidente da Funai Márcio Meira.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.