VOLTAR

Índios mantêm cinco reféns em aldeia no Xingu desde quinta

Radiobrás
02 de ago de 2008

Índios mantêm cinco reféns em aldeia no Xingu desde quinta
Grupo ainda havia retido 3 homens do Ibama e outro da Funai, que estavam verificando denúncia de pesca ilegal

Agência Brasil

Índios da etnia Kayabí que habitam atualmente uma área do Parque Indígena do Xingu, em Mato Grosso, mantêm reféns desde a última quinta-feira, 30, quatro pescadores e um servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai) na Aldeia Sobradinho. Eles reivindicam a ampliação de suas terras.
A informação é do coordenador de Fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Bruno Barbosa. Ele disse à Agência Brasil que, além dos cinco reféns, os índios haviam retido três funcionários do órgão ambiental e outro da Funai, que se deslocaram até a área para verificar uma denúncia de pesca ilegal. O grupo se juntou a quatro pescadores que também tinham sido impedidos de deixar a aldeia.

Na sexta, 1, os índios concordaram com a liberação dos funcionários do Ibama e de um servidor da Funai e um helicóptero foi neste sábado ao local resgatá-los. Entretanto, segundo Barbosa, os quatro pescadores permanecem reféns, assim como um funcionário da fundação, que tenta negociar o fim do protesto.

"Nosso helicóptero vai permanecer na região para apoiar na retirada dos reféns", disse Barbosa. Os municípios mais próximos da aldeia são Sinop e Marcelândia.

De acordo com a Enciclopédia dos Povos Indígenas do Instituto Socioambiental (ISA), o Parque Indígena do Xingu não é terra tradicional dos Kayabí. Até aproximadamente a década de 1940, eles ocupavam uma extensa faixa entre os Rios Arinos, Tatuy (denominação Kayabí para o Rio dos Peixes) e médio Teles Pires ou São Manuel, localizada a oeste do Rio Xingu.

Neste sábado, os indígenas da etnia estão espalhados por diversas aldeias localizadas na região do Posto Indígena Diauarum, porção norte do parque e território habitado anteriormente pelos Yudja (auto-denominação dos Juruna), Suyá e Trumai.

Radiobrás, 02/08/2008

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.