VOLTAR

Índios exigem combate ao tráfico na reserva

Progresso - http://www.progresso.com.br
Autor: Renan Nucci
25 de jul de 2013

Lideres indígenas foram à Câmara para cobrar medidas "estratégicas"

Grupo composto por aproximadamente 15 indígenas foi até a Câmara de Dourados, ontem pela manhã, para cobrar providências das autoridades quanto à segurança nas aldeias Bororó e Jaguapirú. Eles querem que sejam elaborados planos estratégicos que reduzam o índice de criminalidade na reserva. Segundo Aniceto Velasquez, representante das lideranças comunitárias, o maior problema é o tráfico de drogas.

"Há muito estamos cobrando as autoridades por causa do clima de insegurança total que impera nas aldeias. A quantidade de policiais na reserva é pouca se levarmos em conta que a área é habitada por aproximadamente 15 mil indígenas. Temos visto muitos de nossos jovens morrendo e se perdendo no mundo das drogas. Estamos lutando contra o tráfico e não queremos perder essa batalha", disse Aniceto.

No prédio do legislativo os indígenas foram recepcionados pelos estudantes que lá estão acampados há 20 dias, e aproveitaram para expor suas reivindicações e pedir apoio. O grupo advertiu que se providencias não forem tomadas, eles "fecharão" a MS-156.

"A comunidade está se perdendo por causa da violência e a atuação das forças de segurança tem sido ineficaz, pois os criminosos sabem como funciona o expediente da polícia e dificilmente são encontrados. É preciso outras táticas.

Quando nós líderes comunitários realizamos diligências, sempre encontramos facas, facões e punhais que certamente seriam utilizados para machucar alguém, além de drogas. Mas essa tarefa não cabe a nós, por isso estamos em busca de socorro. Se nada mudar, vamos fechar a rodovia como forma de protesto", destacou.

http://www.progresso.com.br/policia/indios-exigem-combate-ao-trafico-na…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.