VOLTAR

Índios e posseiros bloqueiam BR's contra desocupação de Marãiwatsede

24 Horas News - http://www.24horasnews.com.br/
Autor: Uasley Werneck
04 de set de 2012

Índios e posseiros da região do Posto Da Mata, bloquearam na noite de segunda-feira (03) a BR 158 e dois acessos ao distrito de Estrela do Araguaia.

De acordo com informações da polícia civil do distrito, o posseiros fecharam a BR 242 que liga o Posto da Mata à cidade de Alto Boa Vista e ainda a BR-158 rumo a cidade de Barra do Garças.

Já os índios, segundo populares fecharam a região conhecida como "Matinha" que fica a cerca de 5 km do posto da Mata, sentido Ribeirão Cascalheira.

Os posseiros e os índios bloquearam em protesto à retirada de mais de 6 mil famílias da Gleba Suia Missu, demarcada como reversa indígena Marãiwatsede.

A Associação dos Produtores da Suia Missu confirmou os bloqueios e disse que não tem participação nas ações, cerca de 2 mil posseiros estão nas áreas bloqueadas.

De acordo com informações ainda extraoficiais um principio de conflito entre índios e posseiros já foi registrado.

Este é o segundo bloqueio da BR-158 este ano em protesto a desocupação, em junho desse ano os produtores bloquearam a rodovia por 7 dias. Na ocasião, algumas cidades ficaram isoladas como Alto Boa Vista, onde chegou faltar alguns mantimentos e combustível.

No dia 07 de setembro vai haver uma mobilização, e alunos estariam se unindo para um manifesto onde devem atear fogo na Constituição Federal, também em protesto a retirada dos produtos da Suia.

A Luta:

A região da gleba é alvo de litígio desde 1993, quando a demarcação da reserva Marãiwatséde foi feita. Decisões liminares vinham garantindo a permanência dos posseiros no local. A última delas foi cassada no final de junho, mas a associação que representa os fazendeiros da área ainda recorre judicialmente.

http://www.24horasnews.com.br/index.php?mat=424248

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.