VOLTAR

Índios Bororo ocupam Fazenda Rio Vermelho para retomar território

24 Horas News - http://www.24horasnews.com.br/
Autor: Thais Tomie
27 de out de 2011

Os Índios bororo estão ocupando desde o final da semana passada a Fazenda Rio Vermelho, que fica dentro do município de Rondonópolis, região Sul de Mato Grosso. O grupo deu início à ocupação na intenção de retomar a parte da Terra Indígena Tereza Cristina, que é da etnia, mas foi parcialmente sendo ocupada por quem não é de direito nos últimos anos.

A Terra Indígena Teresa Cristina tem mais de 65 mil hectares. Os índios ocupam menos da metade dela. É uma área ainda não homologada, mas foi demarcada por Marechal Candido Rondon em 1897. Os bororo que fazem essa ocupação moram na Aldeia Piebaga.

Os indígenas afirmam que cansaram de esperar que o governo brasileiro, através da Funai, efetivasse o processo de reintegração dos mais de 34 mil hectares. Foram vários documentos, manifestações e idas até Brasília sem resultados. Segundo a etnia, após o estudo efetivado pela Funai em 2003 - Estudos e levantamentos histórico-antropológicos - que tratava da ocupação tradicional deste território pelos Bororo, nada mais foi feito.

De acordo com o coordenador do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) em Mato Grosso, Gilberto Vieira, que esteve na área até pouco antes da ocupação, avalia que por enquanto não há risco de conflito.

"Espera-se que, com a iniciativa dos indígenas de ocuparem seu território, o processo de reintegração de posse se efetive e os Bororo possam usufruir de maneira integral e exclusiva de seu território tradicional", disse em nota o CIMI.

Os bororo já foram a etnia predominante em Mato Grosso, havendo registros destes índios do Pantanal até todo a região de Rondonópolis, inclusive bem próximo à Chapada. Eram milhões principalmente onde se localiza Cuiabá. Hoje são apenas três mil.

http://www.24horasnews.com.br/index.php?tipo=ler&mat=390869

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.