VOLTAR

Índios Assurini deixam prédio da Celpa em Tucuruí, no Pará

G1 - http://g1.globo.com
25 de fev de 2014

Empresa disse que enviará representantes à aldeia no mês de março.
Indígenas ocuparam prédio da Celpa na manhã da última segunda-feira, 25.

Cerca de 30 índios da etnia Assurini, moradores da aldeia Trocará, no sudeste do Pará, deixaram o prédio da Centrais Elétricas do Pará (Celpa) no município de Tucuruí, no fim da tarde da última segunda-feira (24) após serem recebidos por representantes da concessionária de energia. A Celpa assegurou que no próximo dia 21 de março uma equipe será enviada à aldeia Trocará para conversar com representantes dos indígenas e esclarecer o que está sendo feito para fornecer energia firme ao local.

Os Assurini ocuparam a sede da concessionária no município, armados com arcos e flechas, na manhã da última segunda-feira, em protesto contra a falta de energia na aldeia, o que teria trazido prejuízos à comunidade, com a perda de parte dos alimentos armazenados, incluindo merenda escolar. Segundo o cacique Poraquê, eles teriam várias vezes tentado contato com o setor de manutenção da empresa, sem ter retorno.

Com a ocupação, o prédio da empresa foi fechado e o atendimento ao público, suspenso. Somente quem já estava dentro do prédio pode ser atendido. De acordo com a assessoria da Celpa, o atendimento ao público será normalizado nesta terça-feira (25).

Ainda segundo a concessionária, o fornecimento de energia elétrica na aldeia Trocará já foi normalizado. A interrupção do fornecimento foi detectada quando uma equipe de manutenção da empresa, que passava próximo à aldeia na segunda-feira, percebeu o problema. A Celpa nega que tenha recebido qualquer chamado dos indígenas relatando a falta de energia no local.

Para comunicar sobre interrupções de energia a empresa orienta a população a ligar para a central de atendimento no telefone 0800 091 0196.

http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2014/02/indios-assurini-deixam-pred…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.