VOLTAR

Índios apreendem carro da Funasa

Correio da Paraíba (João Pessoa - PB)
Autor: Maria Cristina Dias
11 de nov de 2000

Índios da Aldeia Jacaré de César, no município de Marcação, a 62 quilômetros de João Pessoa, apreenderam ontem uma caminhonete, placa MOI 8770, da Fundação Nacional de Saúde, em protesto pela falta de atendimento médico especializado. A Funasa solici­tou a ajuda da Polícia Fe­deral para recuperar o veí­culo.
Segundo o líder indíge­na da tribo Potiguara, José Ciríaco Sobrinho, os índios estão revoltados porque a Fundação Nacional de Saúde garantiu a prestação de um atendimento médico especializado, para a reali­zação de exames oftalmológicos e ultra-sonografia, em clínicas particulares.
"Fomos informados que a Funasa recebe cerca de R$ 750 mil por ano, para assegurar o atendimento médico, diferenciado, aos índios de 25 aldeias no Estado. No entanto, essa promessa do governo federal não vem sendo cumprida. Os índios apenas recebem atendimento básico nos hospitais de Rito Tinto, de Mamanguape, Hospital Universitário e São Vicen­te de Paula. Se precisarmos fazer uma ultra-sonografia de urgência, não serem os atendidos numa clínica", denunciou José Ci­ríaco.
Ele acredita que a "fal­ta de controle" dos atos da Funasa ocorre porque ainda não foi criado o Conse­lho Distrital. "Com esse órgãos serviços da Funasa. Funai, prefeituras e Hospital Universitário", afirmou. No início da tarde de ontem, a Polícia Federal, acompanhada por técnicos da Funai e Funasa e estiveram na aldeia e fizeram um acordo com os índios.
Segundo a Assessoria de Comunicação da Polícia Federal, os índios concorda­ram em liberar a viatura na próxima segunda-feira, desde que ela seja utiliza­da para o transporte de pes­soas da aldeia, para atendimento médico em João Pessoa. Cerca de 300 índi­os moram na Aldeia Jacaré de César. A reportagem tentou falar com a admi­nistração da Funasa , mas não conseguiu localizar.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.