VOLTAR

Incêndios são registrados em área próxima à terra indígena no Acre

G1- http://g1.globo.com
Autor: Adelcimar Carvalho
05 de ago de 2016

Uma área, que fica perto da terra indígena dos Poyanawás em Mâncio Lima, no interior do Acre, foi monitorada, nesta quinta-feira (4), pelo Instituto de Meio Ambiente do Acre (IMAC) e Fundação Nacional do Índio (Funai) por conta de focos de incêndios na região. O objetivo das equipes é investigar as consequências que o fogo pode ter causado para os índios.

O coordenador substituto da Funai na região, Jairo Lima, diz que uma série de ações de monitoramento e fiscalização estão sendo realizadas dentro das áreas indígenas.

"A equipe monitora os focos de incêndio e derrubada de madeiras. Nossa preocupação é porque sabemos que as terras indígenas daqui são cercadas de assentamentos e fazendas, então, qualquer incêndio pode se tornar incontrolável e chegar às terras dos índios", explica.

O gerente do Imac em Cruzeiro do Sul, Ygoor Neves, diz que a vistoria também visa evitar prejuízos aos indígenas.

"Um incêndio da semana passada esteve muito próximo das terras indígenas daquela região. A equipe verificou as consequências do acontecido na área e ao redor. Cabe a nós uma ação assídua e eficaz para que os povos indígenas não sejam prejudicados", destaca.

Ainda na quinta, a equipe retornou e, segundo Lima, não foi encontrado nada de incomum na área demarcada. "Até o momento, não temos registro de queimadas em terras indígenas. A equipe verificou toda a parte terrestre e não houve flagrante de nada. Não foi registrado nada do que não fosse esperado: muita poeira e queimada, mas o problema é a galera do entorno", finaliza.

http://g1.globo.com/ac/acre/noticia/2016/08/incendios-sao-registrados-e…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.