VOLTAR

Incêndios consomem seis unidades de conservação em Minas Gerais

Estado de Minas - http://www.em.com.br/
Autor: João Henrique do Vale
23 de set de 2015

A situação que demanda mais atenção é no Parque Estadual da Serra da Boa Esperança, no Sul Minas, onde o combate já dura quatro dias

O tempo seco em Minas Gerais ajuda a proliferação de incêndios. Somente nesta quarta-feira, militares do Corpo de Bombeiros e brigadistas do Instituto Estadual de Florestas (IEF) combatem queimadas em seis Unidades de Conservação Estadual. A situação é mais crítica no Parque Estadual da Serra da Boa Esperança, no Sul Minas, onde o fogo consome a vegetação há quatro dias. As chamas estão controladas, porém, a preocupação é que alguns focos estão em áreas onde os homens não conseguem chegar.

Desde o início deste manhã, 34 pessoas, sendo 25 em combate, estão empenhadas em debelar o incêndio. Duas aeronaves ajudam a jogar água nos focos onde os brigadistas não conseguem chegar. A estimativa do Corpo de Bombeiros é de que mais da metade da reserva ambiental, que tem 5,9 mil hectares, foi atingida. Porém, a informação não é confirmada pelo IEF.

Os focos se concentravam em duas regiões do parque, a Centro-Sul e a Noroeste, considerada a mais crítica. O Corpo de Bombeiros afirmou ainda há focos onde os militares não conseguem cehgar. Por causa disso, na quinta-feira, aeronaves vão fazer o combate. "A previsão de término é amanhã. Estamos com a situação sob controle. Mas, não podemos fazer uma estimativa correta, pois a situação pode sair do controle novamente", explica Rodrigo Belo, diretor de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais e Eventos Críticos.

As causas do incêndio ainda são investigadas, porém, a suspeita é que tenha sido criminoso. "Nesta época do ano, o que provoca incêndio naturais são os raios. Como não estamos tendo a presença de raios e sem a presença de chuva, a suspeita recai sobre o incêndio criminoso ou com dolo ou por descuido", afirma Belo.

Além do parque, o IEF está empenhado em combater incêndios na Área de Proteção Ambiental (APA) Algas Vertentes, no Parque Estadual do Rio Doce, na Serra de Macaúbas, na APA Pandeiros, na Serra das Aroeiras. "A situação que mais nos preocupa é no Rio Doce e Algas das Vertentes, que está próximo ao Parque Rio Preto, que não queima há muito tempo", afirmou.

Parque do Rola-Moça

Depois de quase 48 horas, o Corpo de Bombeiros conseguiu na terça-feira controlar o incêndio no Parque Estadual da Serra do Rola-Moça. Segundo a corporação, cerca de 100 homens, entre militares e brigadistas, fizeram o rescaldo da vegetação atingida pelas chamas para evitar o surgimento de novos focos de fogo no restante do dia.

O combate ao incêndio na unidade de conservação localizada entre Belo Horizonte, Brumadinho, Ibirité e Nova Lima, na Grande BH, destruiu pelo menos 450 hectares de mata ao longo dos dias. O IEF pretende, nos próximos dias, fazer um sobrevoo na região para verificar a área destruída pelo fogo.

Dados

Até o mês passado, foram 2.423 ocorrências de incêndio no estado atendidas pelo Corpo de Bombeiros. Em 2014, no mesmo período, foram 1.912 casos. Segundo a corporação, em 2015, a área queimada no Rola-Moça já chega a 29,24 hectares em 34 ocorrências registradas até a última quinta-feira e, portanto, os números não incluem a ocorrência de ontem. No ano passado, foram 697,68 hectares.

http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/09/23/interna_gerais,69131…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.