VOLTAR

Incêndios ameaçam a Flona Tapajós

Diário do Pará-Belém-PA
22 de dez de 2004

Floresta Nacional do Tapajós recebe atuação de brigadistas que combatem os incêndio em pastagens.
O Ibama, gerência executiva em Santarém(PA), através do prevfogo, está atuando na prevenção de incêndios florestais na Floresta Nacional do Tapajós, no Oeste do Pará. Por conta do forte verão que atinge a região amazônica este ano, o Instituto está mantendo uma equipe do prevfogo/brigadistas de prontidão, sobretudo, durante a queima autorizada para o plantio de culturas. Algumas ocorrências de incêndios em pastagens foram registradas, mas a atuação da equipe do Ibama impediu que o fogo chegasse à floresta. O instituto vai manter vigilância até que os riscos de fogo tenham cessado.

BRIGADISTAS

Todo ano o Proarco/Prevfogo/Ibama capacita comunitários da Floresta Nacional do Tapajós para atuarem como brigadistas de combate a incêndios florestais. Este ano, 14 pessoas receberam treinamento. Elas são contratadas pelo Ibama por seis meses e permanecem na Flona/Tapajós de julho a dezembro, período em que é registrado o maior número de queimadas por conta da preparação de roçados dos produtores familiares. Para evitar que a queima se torne um incêndio, os próprios produtores recebem orientação de como fazer uma queima controlada. Mesmo assim, os brigadista ficam em alerta para evitar qualquer problema.

FLONA TAPAJÓS

A Floresta Nacional do Tapajós tem 600 mil hectares, abrangendo os municípios de Belterra, Averio, Rurópolis e Placas, no Pará. Tem 24 comunidades, na sua maioria de populações tradicionais que moram às margens do Rio Tapajós e vivem da caça e pesca. A comunidade maior e mais populosa é a de São Jorge, próxima à BR 163. O diferencial dessa comunidade é que, por estar longe dos rios, vive da plantação de culturas, pois isso é o local com maior número de queimas por conta da preparação do roçado.
(-Diário do Pará-Belém-PA-22/12/04)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.