VOLTAR

Ilha do Bananal começa a ser desocupada

Jornal do Tocantins-Palmas-TO
Autor: Isabel Vitoriano
09 de dez de 2001

A ocupação de homens brancos na maior ilha fluvial do mundo, localizada na divisa dos estados do Tocantins, Mato Grosso e Goiás, começou a ter um fim na última semana, quando uma operação conjunta do Ibama, Funai, Polícia Federal e Justiça começou a retirar posseiros da região. Há décadas a Ilha do Bananal, que abriga duas reservas ambientais, vem sofrendo com a ocupação humana e criação de gado. A mata é devastada, animais são mortos e o rebanho ameaça o equilíbrio do ecossistema local. Dos 157 retirantes que moram no local, 4 já foram retirados por determinação da Justiça. O objetivo é desocupar toda a Ilha até o final do próximo ano. A gado ainda deve permanecer mais tempo. É que só em 2003, após passarem por vários exames, as cerca de 45 mil cabeças de gado criados na região serão liberadas pelas autoridades sanitários. Assim, a Ilha do Bananal voltará a abrigar somente os três mil índios da tribos Javaé, Karajá, Tapirapé e Avá-Canoeiros, além dos animais e da mata que fazem do local um patrimônio de diversidade ecológica incalculável.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.