VOLTAR

Ibama repassa R$ 1,7 milhão para projetos de manejo florestal comunitário

Ibama-Brasília-DF
20 de ago de 2003

O Ibama aprovou esta semana mais quatro iniciativas de manejo florestal comunitário. Duas no estado do Pará e as outras no Amazonas e no Acre, totalizando um repasse de recursos superior a R$1.700.000,00 (Hum milhão e setecentos mil reais), num período de três anos.
As iniciativas apoiadas no Amazonas são da Oficina Escola de Luteria da Amazônia, em parceria com a Acaf no município de Silves (AM). A do Governo do Acre, tem como parceira a Associação de Moradores do projeto Agroextrativista Chico Mendes. No Pará os projetos são da Fundação Viver, Produzir e Preservar, no município de Uruará, e da Fase, em parceria com a Associação de Quilombolas do município de Gurupá.
O Projeto de Apoio ao Manejo Florestal Sustentável (ProManejo) é uma iniciativa conjunta do Ibama e Ministério do Meio Ambiente, no âmbito do PPG7 (de proteção de florestas tropicais). Ele atua buscando formas e mecanismos inovadores de promover o uso da floresta adotando técnicas de manejo florestal, a partir de ações de extensão, fomento, assistência técnica e fortalecimento da organização comunitária. Dentro desta estratégia, vem apoiando iniciativas de manejo florestal para que as mesmas funcionem como catalisadores de mudanças nas suas regiões ou em sistema de produções afins.
Segundo o diretor de Florestas do Ibama, e Coordenador do ProManejo, Antônio Carlos Hummel, é fundamental o estabelecimento de políticas públicas, como o ProManejo, que estimulem a adoção do manejo florestal, ou seja, "o fomento de atividades que mantenham a floresta em pé". Hummel lembrou, também, dos processos de discussão sobre o assunto que estão sendo conduzidas pelo PPG7, no âmbito do Ministério do Meio Ambiente. Segundo ele, o manejo florestal é a alternativa que torna compatível os benefícios oriundos da produção florestal com a manutenção dos serviços ambientais que a floresta oferece.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.