VOLTAR

Ibama fecha o cerco a ilegais em Rondônia e mais três estados

O Observador
21 de jan de 2008

A Operação Rastro Verde, criada para identificar o caminho da madeira extraída da região Norte mobiliza o Ibama de Rondônia e de mais três estados. A operação conta com as participações da Polícia Rodoviária Federal e fiscais do Ibama que concentram ação no Portal da Amazônia em Vilhena, onde, em apenas 18 horas de fiscalização, foi vistoriado 39 carretas e caminhões que transportavam madeiras beneficiadas de Rondônia, todos com Notas Fiscais e Guia Florestal para Transporte de Produtos Florestais Diversos- GF, bem como três caminhões com DOF emitidos pelo Estado do Amazonas.

O objetivo da operação é não só impedir a saída de madeira ilegal de madeira, como identificar centros consumidores nas regiões Sudeste e Sul do País. A fiscalização do Ibama já vistoriou quatro armazéns, que abrigam 50% do volume de madeira exportado pelo Porto de Paranaguá, conforme informações do analista ambiental Michael Marcusso kawashica.

Segundo ele, a principal infração identificada até o momento refere-se a preenchimento incorreto das guias florestais. "Erro burocrático, não é uma tentativa de cometimento de crime", diz, exemplificando que a madeira deveria estar em São Paulo e, no entanto, a nota fiscal está em Paranaguá.

A fiscalização no Paraná está trabalhando por amostragem nos armazéns, verificando madeira antes de serem colocadas nos containeres. Não pega a madeira "ovada", ou seja aquela já preparada dentro do contâiner, com lacre da Receita Federal e pronta para embarcar.

No Acre, os fiscais estão nos rios Juruá, Envira e Purus. Eles seguem embarcações ou aguardam em pontos estratégicos próximos das cidades. A madeira é escoada por meio dos rios, pois estradas estão intransitáveis com as chuvas. O superintendente do Acre, Anselmo Forneck, disse que a meta é interceptar balsas com produtos ilegais. Em Tarauacá, apreenderam 500 pranchas de madeira. A equipe monitora áreas próximas da Reserva Extrativista Arapixi e da Floresta Nacional do Inauini, margeadas pelo rio Purus.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.