VOLTAR

A hepatite B está exterminando os índios na Amazônia

Rondonoticias
08 de ago de 2007

Acontece na próxima terça-feira 14 de agosto uma audiência pública convocada pelo Ministério Público Federal para discutir a epidemia de hepatite B que já atinge 25% dos índios do Vale do Javari e matou grande parte da população das aldeias. A audiência será realizada na cidade de Tabatinga, na Amazônia.

Como de costume o governo divulgou ontem pelos jornais que os trabalhos do plano de ação de controle a hepatite nas áreas indígenas do município de Guajará-Mirim, estão programados para começar na segunda quinzena de agosto. Como sempre, novas promessas são realizadas após acontecer uma tragédia.

Estou falando em novas promessas porque já em 2003 durante um evento (ENONG) realizado pelo Programa Nacional de Hepatites Virais foram apresentadas as ONGs o programa de trabalho para 2004, no qual constava que seriam realizados durante o ano de 2004 cursos de capacitação em prevenção das hepatites para multiplicadores que atuam com População Indígena no Vale do Javari. Os cursos foram realizados em Brasília, o dinheiro foi gasto, mas lideranças indígenas denunciam que nunca apareceu alguém desses capacitados nas aldeias.

O dinheiro foi gasto, a divulgação foi realizada em jornais e congressos como se fosse uma ação realizada, muita gente bateu palmas para a ação divulgada pelo governo, mas a realidade e o resultado conseguido demonstram que as ações não foram concretizadas já que tudo ficou na capacitação e na divulgação para a imprensa e, o resultado é que 25% das populações indígenas estão infectadas com a hepatite B, os dizimando, os exterminando. Uma omissão total (mais um fracasso) de parte daqueles que ocupam cargos no governo federal e são pagos para realizar as ações de prevenção das hepatites.

Lamento ter recebido o convite para participar da audiência na ultima hora, quando já estava comprometido para representar a FIOCRUZ no II Encontro Nacional de Comitês de Ética em Pesquisa que acontece no mesmo período, isso sem considerar no elevado custo da passagem até a cidade de Tabatinga, no final da Amazônia, o que não permitiria pelo pouco tempo disponível conseguir a doação da passagem. Fica para a próxima.

Mas o assunto está tomando dimensão mundial. Neste domingo o principal jornal espanhol, o EL MUNDO, dedicou duas páginas ao grave problema alertando a comunidade internacional. Realizei uma tradução rápida da reportagem, a qual pode ser lida em (o artigo original, em espanhol, pode ser lido em http://www.elmundo.es:80/suplementos/cronica/2007/615/1186264801.html )

Sem duvida estamos diante um verdadeiro genocídio, o qual hoje "explodiu" nas aldeias indígenas, mas que já se encontra com o pavio acesso, pronto a explodir, com os seis milhões de infectados com as hepatites B e C que existem no Brasil.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.