VOLTAR

Grileiros invadem A Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau e podem causar a morte de vários indígenas

Kanindé
28 de Jan de 2007

Cerca de aproximadamente 800 grileiros invadiram a terra indígena Uru-eu-wau-wau e ameaçam a vida do povo indígena.
Estes invasores são comandados por 5 lideres entre eles um advogado que ficam vendendo lotes para os invasores, que sabem que é terra indígena, mas que confiam na impunidade e na falta do cumprimento das leis e da justiça.
Os desmandos são inúmeros, os 5 lideres são pessoas acostumadas a praticar este tipo de invasão sem nenhuma punição, muitos riem da própria FUNAI dizendo que fazem o que bem quiserem, pois nenhuma lei seja ambiental ou indígenista será capaz de tira-los do local.
Alem de invadirem e lotearem a terra indígena estes invasores estão cometendo danos ambientais como a retirada ilegal de madeira, garimpagem e matança de animais silvestres.
Todos os crimes acontecendo sobre o olhar da FUNAI e do IBAMA que muito pouco ou quase nada fazem para conter as invasões.
Os caminhões carregados de madeira passam debaixo do nariz do IBAMA que assistir a tudo sem nada fazer.
Os garimpeiros chegaram a um dos locais mais sagrados dos indígenas que são as cavernas no Parque Nacional de Pacáas Novos, estão destruindo pintura ruprestes que foram feitas a milhares de anos.
A garimpagem acontece ainda no local chamado de sete tombos uma cachoeira a aproximadamente 7 kms da aldeia do Jamari e onde o IBAMA se quiser pode agir, multar e retirar os invasores. Porque não retiram os invasores é o grande mistério.

Burareiro

A mais de um ano e meio a Justiça deu liminar reintegrando a posse aos índios do local conhecido como Burareiro. Apesar da Liminar a FUNAI até o momento não retirou nenhum invasor. Sabemos de fontes seguras que na reunião com os invasores para a entrega de documento do Oficial de Justiça dando 60 dias para que os invasores se retirassem – este prazo encerrou-se em 08 de novembro de 2006 – nada foi feito.
Durante a reunião os invasores riram e disseram na cara da FUNAI que não obedeceriam, que já haviam ganho uma vez, e que não cumprem lei.
Perguntamos: Porque os invasores não foram retirados, apesar da lei dizendo que isto deveria acontecer?
Afinal se cumpre ou não lei neste Estado?
Qual o poder destes invasores junto a FUNAI e a Justiça?
Se falta recursos humanos, porque a FUNAI não solicita o apoio da Polícia Federal, Batalhão Florestal e Ministério Público?

Falta de recursos ou descaso da FUNAI

Apesar de receber inúmeros pedidos dos Uru-eu-wau-wau, documentos da Kanindé informando sobre as invasões, a FUNAI alega o tempo todo que não tem dinheiro para cumprir com seu papel e obrigação. Que não tem pessoal, não tem infra-estrutura.
Porém estas alegações deixam muito a desejar, já que poderia pedir o apoio do Exército, da Polícia Federal, do Batalhão Florestal e do IBAMA que tem a obrigação de multar os danos ambientais.
Se cada invasor que desmatou fosse multado por danos ambientais e este recurso fosse investido para melhorar a infra-estrutura e capacidade da FUNAI certamente não faltaria recursos.

Antevendo um genocídio

Os Uru-eu-wau-wau e Amondawa cansados de esperar pela FUNAI e pelos demais Órgão estão dispostos a fazer justiça com as próprias mãos.
Temos enviado documentos ao Ministério Público, a FUNAI, e a Polícia Federal alertando sobre a situação e não temos visto nenhuma ação no sentido de retirar os invasores.
Caso haja um encontro entre índios e invasores haverá um verdadeiro genocídio, pois fomos informados que os invasores estão armados com armas de fogo, enquanto os índios tem apenas arco e flecha.
Será que vão esperar os Uru-eu-wau-wau morrer para tomarem providências sobre o caso?
Onde está o Ministério da Justiça?
Cadê a FUNAI, o IBAMA, o Ministério Público Federal e os demais órgãos responsáveis pelas terras indígenas?
Cabe ao Governo Federal e Estadual proteger aos indígenas e não deixa-los a mercê de criminosos e invasores de terra.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.